OUTROS

Cientistas descobrem o poder do vinho para tratar dos ovários policísticos

Author
Cientistas descobrem o poder do vinho para tratar dos ovários policísticos

Os benefícios que uma taça de vinho é capaz de trazer ao organismo são inúmeros, desde a prevenção de doenças cardiovasculares até a queda da pressão sanguínea (por ser um vasodilatador). Agora, cientistas da Polônia e dos Estados Unidos descobriram que uma substância encontrada na bebida pode impedir que mulheres desenvolvam a tal da síndrome do ovário policístico (SOP). Aquele chatice que só existe para atrapalhar a vida de nós moças.

Os sintomas? Cólicas fortes, às vezes amenorreia (ausência de menstruação), espinhas, pelos mais grossos no rosto, ganho de peso e inchaço. Ah! Um saco! Para piorar, é causa comum de infertilidade entre mulheres, ou seja, com dificuldades para engravidar.

Ela se desenvolve quando os níveis de hormônios esteroides, como a testosterona, estão altos e causam a formação de cistos.

Pois então! Um composto do vinho, o resveratrol, pode reduzir a quantidade desses hormônios no organismo feminino. Essa substância, encontrada na casca de uvas e em nozes, é conhecida por ter propriedades anti-inflamatórias.

O estudo foi feito com 30 mulheres que tinham ovários policísticos. Elas foram divididas em dois grupos: um tomou suplementos que continham 1.500 miligramas de resveratrol e o outro recebeu pílulas de placebo.

As participantes tomaram os comprimidos diariamente durante três meses e doaram amostras de sangue no início e no final do estudo. Além disso, elas receberam um teste de tolerância à glicose para medir o risco de diabetes.

Os resultados surpreenderam os pesquisadores. Os níveis de testosterona das mulheres que tomaram o resveratrol caíram em 23,1%, enquanto aumentaram em 2,9% no caso das voluntárias que receberam placebo.

Os níveis de sulfato de dehidroepiandrosterona (DHEAS), outro hormônio que o corpo pode converter em testosterona, também tiveram um declínio de 22,2% no grupo das mulheres que tomaram o suplemento. Já as participantes que ganharam a pílula de placebo tiveram um aumento de 10,5% na quantidade de DHEAS em seu sangue.

Houve também uma redução no risco de diabetes entre as mulheres que tomaram o resveratrol. Elas se tornaram mais sensíveis à insulina, sendo que os níveis desse hormônio em seu sangue caíram 31,8%.

Cientistas descobrem o poder do vinho para tratar dos ovários policísticos

Esta não é a primeira vez que o resveratrol foi associado a benefícios para a saúde. Em 2006, um estudo publicado na revista científica Nature revelou que a substância natural poderia estender a vida de ratos.

Bora beber, meninas!!!