CURIOSIDADES

Máscaras, cavalos e sutiãs: conheça a tradição de Natal mais esquisita do mundo

Author

Eles andam em grupo pelas ruas com máscaras esquisitas, botas brilhantes e vestindo sutiãs por cima das roupas. Pois esse desfile bizarro acontece todo ano na ilha de Newfoundland, no Canadá, e está cada vez mais popular.

Máscaras, cavalos e sutiãs: conheça a tradição de Natal mais esquisita do mundo

Essas pessoas são chamadas de “mummers”, e a tradição, que começou na Europa, mas hoje só existe no Canadá, é chamada de Mummers Parade. Ninguém sabe exatamente a origem da palavra, mas provavelmente “mummer” tinha a ver com as máscaras ou com se disfarçar - e nada a ver com múmias, apesar de algumas fantasias curiosas por aí.

No caso específico de Newfoundland, a prática mais comum é se disfarçar e ir de casa em casa, visitando os vizinhos para ver quem consegue adivinhar sua identidade (sim, o disfarce precisa ser bom, né?).

Máscaras, cavalos e sutiãs: conheça a tradição de Natal mais esquisita do mundo

Só que o “mummering” nem sempre foi um passatempo inocente. No século XIX, muitas cidades tinham pessoas com cavalos feitos de ossos que perseguiam quem não estivesse fantasiado. Também tinha muita gente que exagerava na bebida e se aproveitava dos disfarces pra bater em gente inocente pelas ruas.

Como tudo, era preciso um limite. Durante um tempo, autoridades começaram a fiscalizar o “mummering”. Depois, proibiram de vez. Em Newfoundland, ficou proibido até a década de 1990.

Máscaras, cavalos e sutiãs: conheça a tradição de Natal mais esquisita do mundo

 Primeiro, a tradição mudou de lugar. Os mummers começaram a se fantasiar nas áreas rurais, onde tem menos policiamento. Depois, desapareceu de vez. Foi só em 2009 que o “mummering” voltou em Newfoundland. Um grupo se reuniu naquele ano e resolveu desfilar pela cidade. Na paz, na boa. E deu certo. Eram só 300 pessoas, mas foi o suficiente para chamar atenção.

Agora, voltou de vez. E as pessoas inventem todo tipo de fantasia. É ingênuo, é divertido e quem participa fala sobre uma sensação de liberdade. Uma sensação de que, pelo menos naqueles minutos do desfile, você pode ser outra pessoa, dançando e brincando sem que ninguém saiba quem você é.

Máscaras, cavalos e sutiãs: conheça a tradição de Natal mais esquisita do mundo