CELEBRIDADES

Saiba porque Moranguinho vai errar feio em voltar com Naldo

Author
Saiba porque Moranguinho vai errar feio em voltar com Naldo

Hoje, rolando os dedinhos no mouse, pelos portais de notícias, me deparo com uma que me deixou com a pulga atrás da orelha: “Por filha, Moranguinho pensa em reatar com Naldo após agressão”.

Para quem não se lembra, Ellen Cardoso, conhecida como “Mulher Moranguinho, denunciou o marido Naldo Benny por agressão no início do mês de dezembro. No depoimento, ela disse que além de socos, tapas e puxões de cabelo, Naldo desferiu golpe utilizando uma garrafa. Vale recordar que a artista também disse aos policiais que as surras eram constantes há penosos 7 anos.

Por determinação da polícia, Naldo não pode ter nenhum tipo de contato com Ellen, nem mesmo pela internet.

Mas, nesta segunda-feira de Natal (25/12), Ellen Cardoso utilizou o Facebook para comentar a respeito de seu casamento com Naldo Benny, e revelou que pode perdoar o cantor. Contudo, apesar dos rumores, ainda não reatou seu relacionamento.

Leia o desabafo de Ellen:

Saiba porque Moranguinho vai errar feio em voltar com Naldo

Bom, meus amores, não sou adepta do velho ditado de que "em briga entre homem e mulher ninguém mete a colher". É preciso, sim, denunciar a violência doméstica.

Mas também não sou juíza da vida alheia. Cada pessoa tem o livre arbítrio e sabe o que é melhor para si, porém quando mais de 500 mulheres são vítimas de agressão física a cada hora no Brasil, segundo uma pesquisa da Datafolha, a possível volta de Moranguinho com o cantor Naldo nos leva a fazer uma reflexão urgente e necessária.

Por que Moranguinho vai errar feio ao voltar com Naldo? (leia-se também outras mulheres que já foram vítimas de violência doméstica).

Não sei você que está lendo esse artigo, mas no primeiro instante veio o pensamento “como ela pode se submeter a isso”, “só pode estar querendo recomeçar as surras” e por aí vai... Todavia, as coisas não são tão simples assim.

É preciso que entendamos a atitude de Moranguinho ou mesmo de qualquer outra mulher que retorna a um relacionamento com o seu agressor, além também de alertá-las do perigo que correm.

Eu não sei se você já passou por essa situação humilhante, mas acredito que a violência doméstica é o MAIS TERRÍVEL tipo de violência que pode existir na Terra, porque ela vem de onde não se espera. Ou seja, vem de uma pessoa que supostamente era para te amar, proteger e respeitá-la, mas que faz do seu lar um reduto do inferno.

 AMOR OU MEDO?

Saiba porque Moranguinho vai errar feio em voltar com Naldo

E é justamente pelo fato da agressão vir de alguém muito próximo que 40% das vítimas retornam para os seus agressores, segundo um estudo da psicóloga e mestranda Josane Bairros de Souza. Amor ou medo é o que prendem elas nessas relações abusivas.

Portanto, não vamos culpalizar Moranguinho e outras mulheres que passam pela mesma situação. Relações humanas são complexas e não se encerram ao toque de um botão. Costumo dizer que quando decidimos dividir a nossa vida com alguém é um investimento muito alto que fazemos, e no desabafo da artista pude perceber todas essas nuances do seu relacionamento e compreender quão conflituoso é o momento pela qual está passando.

É DA NOSSA CONTA!

Saiba porque Moranguinho vai errar feio em voltar com Naldo

Entretanto, como disse um pouco mais acima: não sou juíza, mas quando se trata de violência doméstica acredito ser da conta de todas (os) nós, SIM.

 Então, vamos lá: agora que eu e você conseguimos fazer uma reflexão além dos títulos dos textos nos portais notícias, precisamos mostrar os perigos dessa atitude que muitas vezes tem o final: a morte.

Gente, importante ressaltar que nem sempre a agressão é física. A agressão psicológica também causa danos terríveis à pessoa; o homem que bate na mulher pode ser educado e gentil. Todos esses fatores contribuem para a confusão mental da vítima em detectar o perigo.

Saiba porque Moranguinho vai errar feio em voltar com Naldo

Segundo a psicologia e psiquiatria, os altos e baixos de uma relação abusiva são extremamente comuns, ou seja, são conhecidos como “ciclo de agressão” - quando o agressor percebe as tentativas da mulher de encerrar o relacionamento, é comum que manifeste arrependimento e afeto, para fazer parecer que a violência foi um episódio isolado.

O Núcleo Forense do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP diz que por trás desse comportamento arrependido e de mudança, pode estar um homem dominador, manipulador que a ciência os configura com transtorno de personalidade antissocial, também conhecido como psicopatia ou sociopatia.

Neste caso, não têm capacidade de empatia e não conseguem considerar os sentimentos da outra pessoa. A frieza é uma característica deste transtorno. Mas os especialistas dizem que é preciso analisar cada caso para saber se, de fato, trata-se de um problema psiquiátrico.

Em outros casos, podem estar relacionados à questão comportamental, ou seja, nem sempre tem uma doença mental, mas apresentam uma personalidade violenta e hostil mesmo.

 

Saiba porque Moranguinho vai errar feio em voltar com Naldo

Trocando em miúdos, a mulher que volta a ter um relacionamento com o seu agressor pode estar caindo numa verdadeira ARMADILHA.

Pois, geralmente essa mudança repentina não é verdadeira e o capítulo final desse histórico de violência pode ser trágico.

Por fim, o apelo que faço neste artigo é o seguinte: eu sei que a gente só entende por completo a dor do outro quando também passamos pela mesma situação, mas gostaria de dizer a você que como Moranguinho também já vivenciou e/ou presenciou uma situação de violência doméstica três coisas:

1) Não ACEITE COMPORTAMENTOS VIOLENTOS, SOB NENHUMA JUSTIFICATIVA.

Aos primeiros sinais de violência (falas, demonstrações de posse ou ciúme, por exemplo), diga que não admite ser tratada daquela forma. Aproveite para deixar bem claro os seus limites. Mas, se porventura, acontecer contigo e querer dar uma segunda chance para o agressor pense mil vezes e até aconselho procurar uma ajuda psicoterápica para entender melhor os seus sentimentos.

2) SEJA REALISTA E ACREDITE QUE NÃO ESTÁ SOZINHA: é possível denunciar a agressão ou pedir ajuda pelo “Ligue 180”.

3) MESMO QUE VOCÊ NÃO ESTEJA EM UM RELACIONAMENTO ABUSIVO, CONVERSE COM AMIGAS SOBRE O ASSUNTO.

É importante difundir a informação entre as mulheres. Não vamos nos calar!

Forte abraço e até a próxima!