TV

Precisamos falar sobre o episódio desta semana de 'Better Call Saul'

Author

Alerta de spoiler: não leia se ainda não assistiu ao quinto episódio da terceira temporada de "Better Call Saul".

Precisamos falar sobre o episódio desta semana de 'Better Call Saul'

A televisão é onde existe o melhor do audiovisual atualmente e os canais a cabo e serviços de streaming têm trazido verdadeiras obras-primas para as nossas casas. Mas ainda há uma diferença entre séries que dão uma impressão de genialidade e programas que de fato são geniais. Mesmo à sombra de "Breaking Bad", "Better Call Saul" se encaixa na segunda categoria.

A terceira temporada vem expandindo o universo da série para o de Gus Fring e do cartel mexicano (e suas ligações com Mike e Jimmy), mas o capítulo desta semana mostrou que os personagens originais de "BCS", como Chuck, Kim e Howard, ainda valem muito o nosso investimento. "Chicanery" ficou somente com eles e foi provavelmente o melhor episódio da série até o momento.

Começamos com um flashback (que, no mundo criado por Vince Gilligan, sempre terá alguma conexão com o desfecho do episódio) de um jantar entre Jimmy, Chuck e Rebecca, sua ex-esposa. Até o momento, nós imaginávamos que o casamento dele havia acabado por sua ~doença~ de alergia a eletromagnestimo. Porém, descobrimos que ela não sabia desse distúrbio e que Chuck mentiu para ela por medo de ser inferiorizado.

Nesta cena, Jimmy diz que "quanto maior a mentira, mais difícil é sair dela."

De volta ao "presente", Kim demonstra uma certa hesitação com todas as artimanhas que tem feito para defender Jimmy. Mas eles se amam e isso ainda é o suficiente para ela. Aliás, o confronto dela com seu ex-chefe Howard é tão prazeroso de assistir, que me deixou um passo mais próxima de criar uma fanpage "Kim Wexler Brasil" no Facebook.

Na audiência, vemos que Jimmy não coloca seu celular no saquinho antes de Chuck entrar. Ele deixaria o aparelho na sala para revelar a mentira da doença? Não poderia ser tão simples. Quando Jimmy pergunta a Francesca sobre a chegada de alguém e ela responde que o voo atrasou, percebemos que Rebecca foi chamada para a audiência. Seria uma tática para desestabilizar Chuck? Não poderia ser tão óbvio, também. 

Enquanto isso, Chuck ensaia seu discurso para tentar convencer os juízes de que tem um coração.

Antes de Chuck entrar, um funcionário remove um relógio da parede. Por causa da sua bateria.

Rebecca chegou, mas não era ela a carta na manga de Jimmy. Era Huell, mais um velho conhecido de "Breaking Bad", que tromba de forma suspeita com Chuck nos corredores em um dos intervalos da audiência.

Chuck prevê que Jimmy colocaria o celular em seu bolso e o truque parece ter dado errado quando o aparelho é aberto e está sem a bateria. No entanto, Huell havia colocado a bateria no terno de Chuck, acabando de uma vez com todas com a farsa da alergia a eletromagnestimo. Neste momento, a presença de Rebecca leva o irmão mais velho a um colapso, deixando-o mais vulnerável do que nunca.

E terminamos com a luz de saída de emergência.

Jimmy provavelmente não sairá ileso deste julgamento, mas conseguiu levar a reputação de Chuck para o buraco. Foi uma atitude dura e dolorosa para Jimmy (e Bob Odernkirk foi incrível ao mostrar isso sutilmente), que certamente levará a rivalidade dos irmãos McGill a outro nível.

Só me resta a pena por quem abandonou este incrível seriado na segunda temporada porque era "muito devagar". Huell está te julgando.