FUTEBOL

Time exige demissão e reinado de Wenger no Arsenal pode acabar após 22 anos

Author

Alex Ferguson dirigiu o Manchester United por 27 anos e só saiu por optar pela aposentadoria. Arsène Wenger está há 22 no Arsenal e gostaria de imitar o rival. Mas seu reinado no clube londrino parece próximo do fim caso os dirigentes dêem ouvidos aos jogadores. Cansados das surras, sobretudo nas partidas maiores, eles se uniram para "pedir a cabeça" do treinador.

Não é de hoje que vemos jogadores derrubando técnicos. Quando eles "se cansam" de um comandante, fazem de tudo (até perder de propósito, inventar contusões) para tirarem o emprego de um profissional. Antiético, porém comum no mundo da bola.

E a artimanha baixa rompe barreiras e chega ao milionário futebol inglês, de acordo com o jornal The Mirror, que detalha o descontentamento do elenco do Arsenal após duas surras diante do Manchester City, ambas por 3 a 0.

O vestiário dos Gunners "ferveu" após o último tropeço. E a indignação com a sexta colocação no Inglês e o risco de ficar fora das próximas competições europeias é grande. Teve jogador chorando e um lamento geral de como Wenger não consegue "arrumar" o time.

A reunião à portas fechadas, óbvio, foi vazada para o The Mirror. Sem nomes, para não comprometer o plano sagaz do time. Mas todos só falavam mal do chefe. "Somos um grande clube, mas necessitamos de ajuda dos treinadores", comentou um jogador na reunião. "Necessitamos encontrar a maneira de mudar nós mesmos. Com Wenger, não conseguiremos", endossou outro.

A diretoria que tanta venera Wenger ainda não se manifestou. Cederá à pressão de um grupo caro (tem jogadores do quilate de Aubameyang, Özil, Mkhitaryan, Petr Cech, Xhaka, Wilshere, Rosicky) ou prestigiará o técnico como faz a duas décadas e fará caça às bruxas no elenco? Acabar com o reinado do técnico (e uma possível acomodação sua) seria o caminho mais fácil, porém o futebol inglês não costuma adotar os péssimos hábitos brasileiros. Vamos esperar para ver.

Time exige demissão e reinado de Wenger no Arsenal pode acabar após 22 anos