FUTEBOL

Oswaldo de Oliveira é salvação do Atlético-MG? 5 motivos para torcida desconfiar

Author

A diretoria do Atlético-MG resolveu trocar a juventude de Rogério Micalle pela experiência e carisma de Oswaldo Oliveira para tentar salvar um dos piores anos da história do clube.

Oswaldo de Oliveira é salvação do Atlético-MG? 5 motivos para torcida desconfiar

Após série de vexames e derrotas dolorosas no Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e, sobretudo na Libertadores, a equipe não se encontra no Brasileirão e sofre com a proximidade perigosa da zona de rebaixamento.

A chegada do boa praça Oswaldo de Oliveira seria a salvação do Atlético-MG? Torcedores torceram o nariz com o anúncio da contratação e aqui listaremos 5 motivos para essa preocupação aumentar ainda mais:

1 - Sem resultados imediatos

Oswaldo não costuma "fazer a diferença" logo de cara nos clubes que dirige. O resultado de seus trabalhos é de longo prazo. E como o Galo necessita de respostas imediatas, isso pode pesar.

2 - Não é linha dura

Em situação delicada na tabela, com apenas três pontos da zona de rebaixamento, o elenco mineiro precisa de um técnico linha dura para dar uma chacoalhada no grupo. E Oswaldo é do tipo paizão, tranquilo acima do normal com seus atletas.

3 - Altos e baixos sob pressão

Contratado na reta final do Brasileirão passado pelo Corinthians sob pressão de conquistar uma vaga na Libertadores, treinador sucumbiu diante das cobranças e acabou caindo com poucos jogos de trabalho. Na ocasião, o time alternava muito, não conseguindo ganhar duas seguidas.

4 - Paciência curta

Se com os jogadores seu estilo é bem tranquilo, Oswaldinho não costuma saber lidar com a cobrança dos torcedores e vira e mexe anda batendo boca com a turma da arquibancada. E a torcida do Galo é muito exigente e pouco paciente.

5 - Problemas com as defesas

Desde que deixou de ser auxiliar para se aventurar na carreira de treinador, lá no fim dos anos 90, Oswaldo sofre para arrumar seus setores defensivos, um problema crônico do atual Galo. E isso pode ser um peso a mais para o técnico.