1. Ana

1. Ana

Author Jessie
Collection Nunca se esqueça

Ana, que nome singelo e rápido, que dito várias vezes soa como uma música um pouco engraçada – sorria Ana ao falar com o espelho. Seus cabelos castanhos alaranjados refletiam a luminosidade de seu quarto, uma voz ecoava chamando seu nome, era sua jovem irmã, Lilian. Muitos falavam sobre a grande semelhança entre as duas, mas Lili - como era chamada intimamente - tinha os cabelos ondulados e mais escuros que de Ana, com sua bochecha com leves sardas e seus olhos arregalados de uma menina curiosa de 13 anos. Já Ana, com 17 anos e 5 meses, com os cabelos mais longos e escorridos, pareciam seguir a curva de sua cintura quando soltos. Seu rosto levemente mais redondo que o de Lilian.

- O que está fazendo Ana? Vamos nos atrasar – dizia Lili ao abrir a porta do quarto da irmã. Ana assentiu com a cabeça e voltou seu rosto para o espelho terminando de passar seu batom rosado. Ana então saiu de seu quarto e foi a caminho de sua irmã e seus pais que a aguardava na varanda. Sua mãe, Eve, era Ana mais velha e com os cabelos cortados acima do ombro, vestida em um belo vestido vinho e um sapato com um pequeno salto, olhava por debaixo de seus óculos e avaliava contente sua família unida. Já seu pai, Tom, estava sempre com sua roupa social, o cabelo bem penteado e um sorriso discreto em seu rosto. Todos iriam a um jantar do irmão de Tom.

- Você está linda – Ana dizia para Lili, ambas sorriam. – Está bem frio, um outono bem frio este – Eve puxava o assunto, Tom assentiu com a cabeça e continuou a dirigir. Chegando a casa dos tios, Ana imaginava a longa noite entediante que teria com as longas conversas dos adultos sobre política e trabalho. Seus tios, Ben e Clarice, eram carismáticos, com os cabelos mais grisalhos do que de seu pai e de um humor bem melhor também, eram pais de Gus e Luke, dois jovens rapazes, Gus tinha 22 e Luke tinha 19. Fazia tempo que eles não se viam, desde seu aniversário de 10 anos. Ana era uma menininha, Lili tinha apenas 6 anos. Como será que eles estão? Chatos como quando eram crianças? – Falava Ana em seu subconsciente.

Ao chegar foram recepcionados pelos seus tios e seus primos, todos estavam como ela se lembrava. Sua tia havia emagrecido e estava bem mais cuidada e jeitosa, e seu tio com uma barriga mais saliente e o rosto muito bem conservado com os cabelos rebeldes e grisalhos. Gus estava mudado. Estava mais sorridente! – pensava Ana. Realmente estava, ele havia crescido e não estava mais com tanto acne em seu rosto, nem marcas ficou, cresceu e estava com cara de um homem na casa dos vinte anos. Seus pensamentos foram interrompidos pelo abraço fervoroso de seu tio.

- Vejam esta moça linda, quase não a reconheci Ana. – disse seu tio Ben – E veja, aquela pequena criança já está deste tamanho, Lili está linda. – e foi em direção a irmã, que sorria em resposta. Ana se voltou e foi cumprimentada pelos outros, até chegar em Luke. Foi diferente o olhar dos dois, foi como na festa de 10 anos, a última vez que tinham trocado aquele olhar. Ana lembrou-se imediatamente daquele momento.

“Todos corriam e brincavam, eu queria fazer parte daquilo mais, parecia que algo não estava certo comigo. Senti alguém sentar do meu lado, e olhei rapidamente assustada e lá estava Luke, com seu cabelo liso e preto, sorria para mim - Porque está sozinha? – abaixei a cabeça e respondi com a voz triste – Estou feliz, mas parece ter algo de errado comigo, como borboletas no estômago. Ele sorriu para mim, como nunca havia visto, éramos muito próximos e sempre que eu estava ao seu lado as coisas eram diferentes. Senti sua mão tocar a minha e ele continuava a me olhar profundamente – Não fique triste, estarei com você para sempre ouviu? Agora vamos – me levantou e me levou em direção as outras crianças. “

Aquela cena ecoou e não conseguia dizer uma palavra, e então ele veio até mim – Como está Ana? Meu pai tem razão, você está linda! – e ele sorriu com aquele mesmo sorriso de toda nossa infância. Senti algo estranho, um borbulhar no estômago que parecia passar por todo meu corpo, respirei fundo e respondi – Bem, e obrigada. Vejo que mudou também – sorri em resposta. Aquele momento não poderia ser mais desconfortante de alguma forma, mas entramos na casa e nossa longa noite começou.

O Jantar já estava posto a mesa, só no aguardo de todos chegarem e todos logo se acomodaram a grande mesa de jantar da família, uma herança dos pais de Tom e Ben. - Porque ele tem que sentar de frente para mim? – Ana se questionava, mas preferiu ficar quieta e continuar a noite em família. 

- continua - 
Nunca se esqueça 

Conto escrito por Jessica Mendes 

Be the first to like it!

People also liked

Related stories
1.It's the little things
2.Beauty Insider reporting from behind the World MasterCard Week runway
3.Cuddle cafe
4.Trust
5.Following Frida's threads
6.SBNation's Snapchat Account (@sbnationsnaps)
7.Body painting meets marbling
8.NASA uses HoloLens for repairs in space
9.Dubrovnik - Perfect decompression from Dance Valley, summer 2011
10.Planting a Million Trees
500x500
500x500