MÚSICA

Christina Aguilera já é Lendária.

Author

Atualmente, Christina Aguilera atingiu o patamar de lenda. Apesar da chacota online, que a persegue desde o icônico flop de Bionic, a cantora segue ganhando cada vez mais respeito da crítica especializada e grande mídia.

Christina Aguilera já é Lendária.

No início de sua carreira, Xtina já mostrava ser promissora. Ainda que tivesse quatro hits (três dos quais atingiram o #1 da Billboard) apenas no primeiro álbum, Britney Spears seguia como o grande destaque de estreia do ano de 1999. Provando a qualidade de seu talento, Christina ganha o Grammy de “Melhor Novo Artista”, concorrendo não só com a princesa do pop, mas também com Macy Gray, que tinha tido o hit “I Try” e seguia como queridinha da crítica pelas raízes soul.

Com seu debute passando as vendas de 15 milhões, em 2000 mesmo ela decidiu não ser mais um fantoche dos grandes empresários. Só nesse ano, ela lançou um álbum de standards em espanhol, assim como versões de seu álbum de estreia. O sucesso foi bem além do esperado: além do respeito pela crítica por não dar um passo óbvio, ela ainda recebeu um Grammy Latino de “Melhor Álbum Pop Vocal”, sendo a primeira norte-americana a receber o prêmio. Por fim, o álbum permanece com o recorde da Billboard de álbum pop latino mais vendido de 2000 e álbum de uma artista norte-americana com mais semanas no chart de álbuns latinos.

Apesar de Britney sempre ter sido um nome maior mundialmente falando de fenômenos de vendas – e ela merece, que fique claro -, Xtina sempre foi um fenômeno de crítica e respeito. Mesmo que digam ao contrário, uma prova disso é seu tributo à Whitney Houston em 2001 no BET Awards, premiação destinada aos artistas afro-americanos. Mesmo sendo uma branca numa premiação para negros, ela foi convidada por Miss Houston para a performance; ao final, Whitney disse ter sido a melhor versão de “Run To You” após ela mesma. Aliás, a família Houston sempre foi uma grande admiradora de Aguilera, tendo convidado ela mais duas vezes para tributos – em 2016, no The Voice, e 2017 no American Music Awards. Vale lembrar do hit “Lady Marmalade”, abençoado por Patti LaBelle (dona da música) como uma pérola regravada. A música chegou a ofuscar até P!nk, que na época entrou numa rixa com ela.

Em 2002, com apenas 3 anos de carreira, ela já carregava um respeito de uma artista com muito mais tempo na estrada. Ainda assim, ela enfrentou todos seus demônios lançando o genial Stripped, confessando que não ligava se venderia 2 cópias ou 2.000. Ela foi bem além: não só vendeu 12 milhões de cópias, como foi pioneira da nova geração ao incluir um beijo gay no clipe de seu hit “Beautiful” e falar abertamente sobre o feminismo em “Can’t Hold Us Down” – antes desses tópicos virarem pauta no mundo pop. 

Entre 2004 e 2006, ela saiu em turnê com as ainda novatas Pussycat Dolls, colocando o nome da banda no mapa. Voltou aos cabelos loiros, assumiu uma sonoridade mais antiga e então lançou o também genial Back to Basics, uma nova ousadia com um álbum pop duplo. Por dois anos, ela segurou o recorde de álbum duplo feminino mais vendido do mundo, sendo superada pela soundtrack de Hannah Montana 2. Conquistou ainda 3 indicações ao Grammy e uma vitória com “Ain’t No Other Man”. Em 2007, ela já era reconhecida pelos maiores nomes da música, tendo colaborado com lendas como Tony Bennett, Herbie Hancock e Andrea Bocelli – tudo isso com menos de 10 anos de carreira.

Que Christina era um fenômeno, isso é indiscutível. Seu segmento já estava bem afastado da colega Britney – que sempre é comparada erroneamente. É importante reconhecermos que cada uma tem seus méritos invejáveis, e que nenhuma é superior à outra. 

O fenômeno deu vida à coletânea de sucessos Keeps Gettin’ Better, que foi pifiamente divulgada uma vez que ela havia sido mãe recentemente. Apesar de estar disponível para venda física apenas na Target, uma espécie de Lojas Americanas dos Estados Unidos, ela conseguiu emplacar mais um Top 10, estreando em #9. O álbum, no entanto, só atingiu seu pico quando foi disponibilizado em todas as lojas, tendo atingido o #2. A sonoridade eletrônica era refrescante para a imagem dela, e tudo parecia implacável.

Já em 2008, outro grande nome pop havia surgido. Lady Gaga estava no topo do mundo, e em 2009 era o maior nome da indústria. Numa época que Perez Hilton era extremamente influente nas mídias sociais, é fácil vermos o quanto ele contribuiu para uma “destruição” da imagem de Aguilera. O resultado disso foi “Bionic”, o álbum que segura apenas o recorde de maior flop da história. Com expectativas nas alturas, tanto dela quanto do público, o recebimento frio nas vendas do álbum surpreendeu a todos, causando o abandono do álbum no segundo single.

Ainda em 2010, ela foi nomeada “Embaixadora Contra A Fome do PMA” da ONU, sendo reconhecida também como maior contribuinte da UNICEF e tendo viajado ao Haiti inúmeras vezes para ajudar os projetos de distribuição de alimentos no país após a catástrofe daquele ano. Só então a mídia descobriu seu trabalho humanitário árduo desde 2005, quando iniciou suas contribuições. Em uma entrevista alguns anos depois, perguntada porque nunca divulgou isso para o mundo, ela respondeu que “boas ações devem ser feitas, não faladas”.

Seu nome, no entanto, não demorou a se recuperar com a crítica: Burlesque, sua estreia nos cinemas ao lado de Cher, conseguiu arrecadar mais de 91 milhões de dólares em bilheteria e 130 milhões de dólares com vendas em dvd. Esses números são surpreendentes levando em conta que tratava-se de um musical com sonoridade e temática de quase 100 anos atrás. Cher e Christina Aguilera bateram de frente no Globo de Ouro, arrancando duas indicações com suas maiores músicas do filme; o prêmio foi para Cher com “You Haven’t Seen The Last Of Me”.

Após Burlesque, tudo pareceu desandar. Sua imagem frente à indústria era péssima, ela era motivo de piadas por qualquer coisa que fizesse, além de ter sido presa ilegalmente e ganhado muitos quilos “não saudáveis”, como ela mesma diz. Em 2011, ela entrou no The Voice com o que era, até então, o maior cachê pago a uma cantora na história dos realities. Abocanhou ainda o maior hit do Maroon 5, “Moves Like Jagger” e recuperando um pouco do seu prestígio. A prova disso é que, mesmo com sua imagem totalmente arruinada, ela conseguiu um debute em #34 com a subestimada “Your Body” e ainda ficar no Top 10 do iTunes por 7 semanas com a premiada “Just A Fool”, colaboração com Blake Shelton que nunca sentiu o cheiro de um clipe. Mesmo assim, ela virou piada na internet pela Lotus Tour, que sequer foi anunciada e demonstrou que todo o ódio contra ela era apenas gratuito.

Em 2013, a cantora se encontrou novamente. Chocou todos ao aparecer renovada num red carpet do The Voice, conseguindo ainda dois novos hits: “Feel This Moment”, que se tornou o maior hit de Pitbull, e “Say Something”, que se tornou o único hit da já esquecida banda A Great Big World. Ela não só trouxe visibilidade a eles, como foi responsável pelo Grammy de “Colaboração do Ano”, recebido em 2015.

Atualmente, há um nervosismo e expectativa de seu próximo passo. Anunciado desde 2013, o sexto álbum da cantora é o mais misterioso de sua carreira. Mas não é nenhuma surpresa: Aguilera já demonstrou várias vezes odiar rumores sobre seus trabalhos e é conhecida por adiá-los sempre que informações são vazadas. 

O que podemos concluir é que talvez não estejamos dando o devido valor ao nome que é Christina Aguilera. Na era da internet, a informação está mais acessível do que nunca, e é triste que muitas pessoas sequer conheçam seu trabalho – seja musical, seja pessoal, seja humanitário.

Curta a página no Facebook: A Voz Da Década 2000