ENTRETENIMENTO

Bomba, delação, Bala Perdida

Author
Bomba, delação, Bala Perdida

Mãe de todas as bombas

Trump, laçou na quinta 13/04 uma bomba enorme, muito pesada que faz uma cratera de um quilometro e meio, matou 36 extremistas do Estado Islâmico, além de destruir vários túneis e ligações subterrâneas, o ex presidente do Afeganistão não gostou, disse que foi desumano e brutal.
Já o líder da Coreia do Norte apressou se em também demonstrar força, exibiu misseis intercontinentais, tanques e todo(ou quase) poderio militar do país, foi mais ou menos como dizer, se querem guerra, vão ter guerra, nuclear inclusive, porém o teste com o míssil fracassou, explodiu logo depois de ser lançado.
Trump enviou uma armada, e deu o recado, temos submarinos poderosos mais poderosos que muito porta avião, a China tenta apaziguar as coisas, como quem diz, vamos conversar, deixa disso, a gente já tá abrindo mão de armas nucleares, mas Trump detesta provocação e é bem menos paciente que seu antecessor.

Minha opinião:

Sou a favor de se bombardear o Estado Islâmico, brutal e desumano, ora bolas, se o EI é brutal e desumano sempre, por que temos ser  humanos e delicados com eles, esse ex presidente do Afeganistão parece um morde e assopra, é contra o EI pero no mucho, nesse caso(pra ele) a culpa é de Trump, se o Afeganistão não consegue (ou não quer) dar conta do EI, e se o EI ameaça o mundo, alguém tem que parar e jogar com as mesma armas, com a vantagem de não atingir e nem usar inocentes, coisa que o EI faz sem o menor pudor, a mesma coisa vale para o Ditador Norte-coreano, sempre rindo e desrespeitando acordos internacionais, já tava na hora de alguém dizer para ele: Ei! você não é o rei da cocada preta, eu sou mais forte que você, quer ver? Por enquanto, em relação a isso, Trump ganha pontos comigo.

Delação do Fim do Mundo

Eis que Odebrecht resolveu abrir a boca, falou de todo mundo, envolveu todos os ex presidentes recentes, De Sarney a Temer, vários partidos (16 dos 35)  estão envolvidos na lava jato, sobrou para todo mundo, ex prefeito, ex governador, senador, deputado... Os delatores contaram com detalhes como faziam para pagar, que favores foram trocados e com quem.
Emilio Odebrecht tomou uma lição sobre o que é e quais as consequências da corrupção, o promotor de justiça Sergio Fernandes, parece não gostar de eufemismo, explicou que propina é propina que não tem esse negócio de pedir ajuda, usou exemplos como o guarda que recebe propina para não multar, não está recebendo uma ajuda e que os fins não justificam os meios, seja para ajudar sua própria filha ou para financiar campanha, o dinheiro de caixa dois é sujo do mesmo jeito, todos negaram quaisquer participações em esquemas, alguns de forma suave como não comentar, outros desqualificando a delação.

Minha Opinião:

São todos covardes, o problema é que com dinheiro tudo se consegue, prisão domiciliar por exemplo, regalia na cadeia, a negação já virou uma clichê, do tipo deixa eu ver se adivinho, hum...Vai negar. Bingo! Cem por cento de acerto, não teve um pelo menos que admitisse, "olha, errei sim, to arrependido, tá aqui o dinheiro." Todos negam indignados e querem provas, igual a assassino dos filmes, que debocha do policial, "prove que eu matei!"
E ainda teve um que teve a cara de pau de dizer que 150 mil não compra emenda nem na feira do Paraguai, sinal que eles devem ter entre eles, uma cotação de propina, se for uma emenda, 1 milhão, uma fraude na licitação 500 mil tá bom e por ai vai.
O que me deixou curioso, foi saber quem é o coisinha que ficava rindo ao lado de Emílio durante o depoimento, estou curioso em saber o que ele acha tão engraçado.
Nojo vai dar mesmo, quando vir essas mesmas pessoas citadas, dando as caras no congresso, e quem sabe no executivo em 2019, nesse caso só posso chegar a conclusão que merecemos passar por isso e muito mais, calados.

Bala achada

Morador da Vila Cruzeiro (Comunidade Carioca) foi baleado na nuca enquanto voltava da padaria, segundo consta foi uma bala perdida, para os moradores, foi a polícia, gerando revolta dos moradores, que protestaram em Brás de Pina interditando a rua e depois foram para a UPP, o pedreiro Luis do Santos estava desempregado e vivia de bicos, deixou cinco filhos, um deles passou mal ao saber da morte do pai e foi atendido no Hospital Estadual Getúlio Vargas.

Minha Opinião:

Tiros em favelas são comuns, o prazo de validade das UPPs expirou depois das olimpíadas, e os traficantes estão querendo seu território de volta aproveitando a crise no estado do Rio, sei de vários casos deles atacarem as UPPs e tocarem o terror nos policiais, até ai , não tá bom, mas dentro do esperado.
O que me causa estranheza é a mania que morador de favela (em 90%) dos casos ser contra a polícia, eu nunca vi morador de favela protestar porque traficante chacinou uma família, ou decepou alguém e ficou exibindo em praça pública, eu conheci alguns moradores inclusive, que antes de votar queriam saber a opinião do dono da boca, a impressão que e tenho, é que os moradores de favela, percebem o traficante como deveriam perceber o Estado, o traficante é o prefeito da comunidade, ele é o legislativo, o executivo e o judiciário, obviamente com regras bem diferentes, onde morte pode ser uma punição, nos casos mais leves, uma surra bem dada, uma raspada de cabelo em mulheres ou estupro coletivo como punição. Os moradores acham tudo isso normal, "dentro do contexto", quando eles tem uma pendência entre eles, quem resolve é a "Boca" (uma espécie de QG do tráfico local)eles (os moradores) são os primeiros a procurar. Certa vez queriam me vender um chip de celular na comunidade, eu olhei o chip e perguntei, tá bom? a resposta, "tem erro não", qualquer coisa o senhor pode falar com a boca, garanto que tá bom, não comprei mas ficou claro pra mim quem era o PROCON em caso de defeito no chip. Assim eles fazem com tudo, e há uma certa repulsa dos moradores à presença da UPP, sempre que tem morte de morador associada a polícia a palavra de ordem é: "Fora UPP"
A polícia não é santa(longe disso) mas temos sim bons policiais que cumprem o seu dever, que não extrapolam na força, que não prevaricam, mas parece que morador de favela custa a crer, talvez pelos anos e anos de opressão policial, de serem tratados a tapas. A ideia da UPP é boa, de policiais que conheçam os moradores que convivam com eles, que façam(até o limite da sua função, claro) o papel da "boca" bastando apenas os moradores darem uma chance.