NOTÍCIAS

Racismo: aluno da FGV é suspenso por 3 meses por chamar colega negro de 'escravo'

Author
Prédio da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo
Prédio da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo

Um aluno de Administração da Fundação Getúlio Vargas (FGV) de São Paulo foi suspenso por três meses da universidade por ter chamado um colega negro de "escravo" em um grupo de Whatsapp, de acordo com o G1.

A vítima soube pela FGV que o colega havia tirado uma foto sua no fumódromo da universidade, sem que ele percebesse, e compartilhou a imagem com amigos com a legenda: "Achei esse escravo no fumódromo! Quem for o dono avisa!”. Um boletim de ocorrência por injúria racial foi registrado no Distrito Policial da Consolação.

A FGV divulgou um comunicado sobre o caso: "O comentário ofensivo foi feito em grupo privado do qual o ofensor fazia parte, sem qualquer participação, ainda que indireta, da FGV. Ante a possível conotação racista da ofensa, firme em sua postura de repúdio a toda forma de discriminação e preconceito, a FGV, tão logo tomou conhecimento dos fatos, tal qual prevê seu Código de Ética e Disciplina, de imediato aplicou severa punição ao ofensor, que foi suspenso de suas atividades curriculares por três meses, estando impedido de frequentar a escola, sem ressalva da adoção de medidas complementares, a partir da apuração dos fatos pelas autoridades competentes."

Em um grupo de Facebook, a vítima afirmou que não se contenta com a "severa punição" da suspensão por três meses e que não descansará enquanto o agressor não for expulso. "Pessoas como você não devem e nem podem ter um diploma da Fundação Getulio Vargas", escreveu.