ENTRETENIMENTO

A noite em que não valeu a pena votar no The Voice

Author
A noite em que não valeu a pena votar no The Voice

Na noite de quinta-feira (14), ocorreu a semifinal do reality musical The Voice Brasil. Vinicius d'Black, Samantha Ayara, Day e Carol Biazin passaram para a fase derradeira e irão decidir o título de 2017. No começo do episódio, cada um dos times tinha dois representantes, que disputaram entre si uma vaga para a final. Cada concorrente teve um número individual e um dueto para convencer de seu talento. O resultado da contenda se deu pela soma das manifestações dos espectadores pela internet com o bônus de trinta pontos dado pelo mentor a seu favorito.

O problema é que a pontuação concedida pelo técnico desequilibrou o mecanismo do programa. A voz popular só seria soberana caso algum cantor tivesse uma vitória esmagadora, conquistando mais de 70% de aprovação na plateia – algo que não aconteceu na noite das apresentações.

A maior parte dos duelos teve votação apertada, e em nenhum momento o público conseguiria reverter a decisão dos técnicos. A maior vitória foi de Carol, com 68% dos votos. Mesmo assim, se Ivete tivesse escolhido Juliano para receber seu bônus, toda a comoção do público cairia por terra e o resultado seria espelho da vontade da mentora.

As preocupações da produção em instituir um mecanismo dessa forma são compreensíveis, porque há diversos exemplos na história dos realities competitivos em que a democracia plena gerou vencedores questionáveis. Em várias oportunidades, o clamor juvenil dos fãs falou mais alto do que o julgamento isento das habilidades apresentadas. Não é por acaso que mais de um irmão Simas foi campeão na Dança dos Famosos!

O mecanismo de intervenção do jurado é interessante para equilibrar a balança, mas quando é tão determinante joga pela janela a decisão popular. Um bônus mais razoável (de dez pontos) daria peso aos critérios técnicos dos jurados sem calar totalmente a vontade popular. O funcionamento do Pop Star é um exemplo de mix que dá certo, mas do jeito que ocorreu no The Voice, os espectadores que gastaram o dedo para votar desempenharam um esforço vazio.