TV

"Minha Mulher que Manda" do programa Eliana diverte, mas demonstra o machismo do brasileiro

Author

Desde o sucesso do "MasterChef Brasil", todos os canais querem filar um pouco desse prato que é o reality culinário. Tendo como conhecimento sobre o assunto apenas a amizade com Carlos Bertolazi e GIFs animados experimentando comidas estranhas, a apresentadora Eliana ocupou boa parte de seu programa com uma divertida (e igualmente preocupante) disputa culinária.

"Minha Mulher que Manda" do programa Eliana diverte, mas demonstra o machismo do brasileiro

A proposta do "Minha Mulher que Manda" é muito simples, do jeito que agrada o público domingueiro. Três casais são colocados à prova numa inusitada competição culinária na qual o chef Bertolazi ensina às esposas como se faz o prato e aí, isoladas acusticamente com uma câmera e um microfone, elas precisam dar instruções para os maridos e namorados que entendem tanto de culinária quanto eu de física quântica. Ao final, os pratos são avaliados e o que reproduzir melhor o modelo leva 10 mil reais para casa.

O quadro tem tudo o que o brasileiro espera num domingo à tarde, como gritaria, gente cometendo trapalhadas e a icônica risada da Eliana. Assim como no reality culinário "Mandou Bem" da Netflix em que amadores tentam reproduzir sobremesas profissionais (recomendo MUITO!), no "Minha Mulher que Manda" a graça está em ver homens completamente incompetentes na cozinha e dependendo totalmente das instruções de suas esposas para as mais bestas tarefas como cozinhar uma batata. Em um dos momentos exibidos na estreia estava um moço que teve a proeza de confundir um dente de alho com uma cebola.

Mas é um pouco difícil apreciar totalmente o programa porque algo incomoda, o já esperado machismo. O quadro usa como base a ideia quase feudal de que as mulheres são as responsáveis pela cozinha, deixando os homens para tarefas mais "másculas", mas não mostra em canto algum o quão atrasado é esse pensamento. Os homens que não fazem nada na cozinha apenas são assim, não há qualquer confronto ou pergunta do tipo "por que você faz isso, campeão?". Parece que estamos assistindo a um quadro produzido nos anos 90, e não em 2018 com tanta discussão sobre igualdade de gêneros e debates a respeito sobre o assunto.

"Minha Mulher que Manda" do programa Eliana diverte, mas demonstra o machismo do brasileiro

O tom do programa também não ajuda. Em vez de transformar a incapacidade culinária dos homens em uma forma de mostrar o quão atrasado é esse pensamento de que homem fica longe da cozinha, o "Minha Mulher que Manda" não pune os homens por não saberem cozinhar. Vale comentar que o prato principal era de frango e um dos competidores esqueceu esse ingrediente, mas mesmo assim ainda teve notas aceitáveis. Em momento algum eles foram mostrados como "ridículos" por não saberem temperar um frango, enquanto as mulheres dando instruções acabaram mostradas como estressadas.

Mesmo com essa pequena problematização, o quadro diverte. Só parece mal dividido, pois a parte da avaliação (a menos interessante) parece durar uma eternidade com degustação a cegas acompanhada de garçom bonitão. Se isso fosse mais ligeiro, poderia melhorar bastante o quadro. E, sobretudo, temos que elogiar essas tentativas de deixar o domingo um pouco mais alegre, afinal ninguém aguenta mais o Rodrigo Faro e outros programas assistencialistas passando o domingo todo com algum ~exemplo de superação~.

O "Minha Mulher que Manda" pode ser assistido no canal oficial do YouTube do programa da Eliana: