TV

Piada do Tá no Ar sobre igrejas oportunistas rendeu um ataque "anônimo" feito pela Record

Author

Qual o limite do humor? Não sabemos, mas podemos afirmar que o humor pode ser usado para denunciar algumas coisas de nossa sociedade que ninguém comenta.

Piada do Tá no Ar sobre igrejas oportunistas rendeu um ataque "anônimo" feito pela Record

Se você não conhece, o Tá no Ar é um programa de esquetes da Globo escrito por Marcelo Adnet e Marcus Melhem que tem como ideia principal zoar a televisão como um todo, parecido com o clássico TV Pirata. E não só a programação da Globo: SBT, Band e até o mais obscuro dos canais pagos vira motivo de chacota e piada nas mãos dos humoristas. Uma das regras é zoar todo mundo igualmente.

E na noite da última terça-feira (10) o público do programa viu um quadro bem ácido tirando sarro do programa "Shark Tank" (que é uma espécie de "The Voice" com empresários e empreendedores). Intitulado "Shark Temple", Marcelo Adnet interpretou um dono de Igreja que trata a religião como um negócio. Durante todo o quadro, Adnet explicou como seu personagem transformava a fé por algo impalpável em lucro certo. Ele ainda detalhou como isso faz parte de um plano maior, que é chegar na presidência da república.

Certo, é um senso comum falar sobre a ambição de algumas religiões que flertar com o charlatanismo e com a extorsão de fiéis, mas o problema foi que o religioso do Adnet trouxe várias semelhanças a uma igreja real, a IURD de Edir Macedo. Um dos logotipos da igreja fictícia era uma pombinha levando embora um maço de dinheiro, a mesma pomba que ilustra a marca da Igreja Universal. Para completar o pacote, Adnet imitou os trejeitos de Edir Macedo em seu personagem.

Isso poderia ter ficado por aí mesmo, mas a piada parece ter incomodado setores da igreja. Tanto que, poucas horas depois, surgiu um texto misterioso no portal R7 (que pertence a Record e, consequentemente, a IURD) detonando a carreira do humorista.

O texto, que não é assinado, destrincha a trajetória do humorista com veneno escorrendo a cada parágrafo. A matéria até tenta usar algum humor para tentar convencer que o Adnet é um barco afundando, mas falha miseravelmente:

Piada do Tá no Ar sobre igrejas oportunistas rendeu um ataque "anônimo" feito pela Record

Embora o Tá no Ar não seja um fenômeno de audiência, é uma inverdade dizer que esquetes do programa nunca repercutiram. Vários clipes musicais ou piadas pontuais já pautaram a imprensa, inclusive a do próprio R7. Sem contar que esse ataque ("anônimo") foi uma prova que a denúncia humorística repercutiu.

Talvez se o portal/Igreja/emissora tivesse ficado em silêncio, o assunto teria morrido logo. Ao lançar um editorial para desmoralizar o humorista, eles só chamaram mais atenção para a crítica que eles não queriam que fosse veiculada.