OUTROS

Um assunto chato, batido e que já ferve por aqui. Técnicos caem no Brasil

Author

O futebol começou para valer no Brasil no dia 30 de janeiro. Jogadores tiveram um mês de férias e tempo para uma pré- temporada. A bola finalmente rolou. E, 14 dias depois, já vemos a incompetência dos dirigentes falar mais alto. São quatro técnicos demitidos e muitos outros com a corda em pescoço.

Os dirigentes que tanto pregam profissionalismo não conseguem mesmo ter paciência com um trabalho que se inicia. Uma, duas derrotas, e lá se foi um técnico. A explicação, ou desculpa esfarrapada são uma pior que a outra. 'A filosofia do professor' não se enquadrou, ' o time não deu encaixe', 'chegamos a comum acordo e vimos que o melhor era a saída'. Comum acordo? Quem em sã consciência assume que seu trabalho é ruim após dois jogos?

Parece até piada de português. Mas não é. E foi a Lusa a primeira e chutar seu técnico. Estevam Soares não escapou da degola após um empate e uma derrota. Levou um chute no traseiro.

Um assunto chato, batido e que já ferve por aqui. Técnicos caem no Brasil

Depois de se gabar por ter mantido PC Gusmão mesmo após o rebaixamento no Brasileirão, o Joinville resolveu adotar a tática covarde de jogar a culpa por uma derrota em uma única derrota. Adeus PC.

Um assunto chato, batido e que já ferve por aqui. Técnicos caem no Brasil

O Rio Claro fez apenas quatro jogos na elite paulista. Nem bem se acostumou com um esquema tático e seus homens de terno, engravatados, resolveu agir. No lugar de reforços de peso, aviso prévio para Luís dos Reis.

Um assunto chato, batido e que já ferve por aqui. Técnicos caem no Brasil

Uma demissão a cada quase quatro dias. Até dezembro bateremos na casa dos cem fácil. Alguns vão ter três, quatro, até cinco comandos diferentes. E lógico, fecharam o ano sem ganhar nada.

Imaginem se o Corinthians tivesse demitido Tite após o vexame Tolima em 2011? Teria conquistado os Brasileiros de 2011 e 2015? A Libertadores? O Mundial? A Recopa? Talvez apenas o Paulistinha. Lição que muitos deviam seguir.

Mas vão? Marcelo Oliveira balança no Palmeiras, Eduardo Baptista vive na corda bamba no Fluminense e Vinícius Európio, que estava por um fio na Ponte Preta, também caiu neste fim de semana.

Um assunto chato, batido e que já ferve por aqui. Técnicos caem no Brasil
Um assunto chato, batido e que já ferve por aqui. Técnicos caem no Brasil
Um assunto chato, batido e que já ferve por aqui. Técnicos caem no Brasil

A pergunta é, qual técnico será demitido na próxima semana? Alguem acha que a lei para os times terem apenas dois comandos por ano vai vingar? Que vergonha.