A família vestida de Aladdin sofreu linchamento virtual. Lidem com isso

Em tempos duros como os que vivemos, onde a ação antecede a reflexão e todo mundo parece contaminado pela vontade de ser o justiceiro da vez, um caso como o da família que se fantasiou de personagens do desenho Aladdin é tristemente simbólico. Não acho correto dar grandes detalhes do acontecido, muito menos reproduzir uma vez mais a foto que gerou toda a celeuma, mas tentemos explicar o que houve para quem (afortunadamente) nada sabia do caso até então. Um casal (nada caucasiano, mas também não imediatamente relacionável com a etnia negra), com seu filho adotivo (negro), participou de uma festa carnavalesca vestindo roupas aludindo ao desenho da Disney. O menino usava trajes do personagem Abu, que é o melhor amigo de Aladdin e, como sabemos, um macaquinho. Foi suficiente para que uma foto da família viralizasse, com multidões que acreditavam estar denunciando o que consideraram racismo na imagem. O pai veio a público rebater a acusação, dizendo que queria retratar a amizade entre Aladdin e Abu e que o racismo estava nos olhos de quem via - insuficiente, é claro, para aplacar a sanha de justiça de quem promove linchamento pelas redes sociais.

Sim, usei a palavra e a repetirei: linchamento. O que todas as pessoas que divulgaram a foto (a maioria sem sequer tomar o cuidado de disfarçar digitalmente o rosto da criança) promoveram foi um linchamento virtual, onde a família foi condenada por racismo sem nenhum direito a defesa, sem qualquer chance ou tentativa de compreensão, de forma impiedosa e cruel. Assim agiram a partir de um arremedo de argumento, dizendo que era necessário proteger a criança de uma situação vexatória - e para salvá-la do horror a expuseram a um horror maior ainda, espalhando para todos os lados a sua imagem, potencializando a possível vergonha e colocando em risco a estrutura familiar que essa criança (vinda, lembremos, de um orfanato) começa a construir. Que benefício trouxeram ao menino vestido de Abu as multidões que ousam dizer que tentaram protegê-lo, mas só o atingiram ainda mais - e que acusam simploriamente de racismo também aqueles que ousam discordar do modo como tudo foi conduzido?

Dirão alguns que racismo é algo odioso e deve ser condenado sem trégua, sem rodeios ou ponderações. Não percebem, esses que se julgaram portadores de uma verdade indiscutível, que usam o exato argumento dos que defendem a anulação dos direitos humanos, a condenação pelo tribunal do senso comum, a morte inclemente do suposto bandido em flagrante delito. Deve o racista ser marcado a ferro e fogo, de forma que nunca mais possa andar à rua sem que seja cuspido e humilhado por seu pecado? Se racismo cometeu essa família, devemos assumir de imediato que o fizeram com a mais pútrida das intenções, ignorando que possam ter assim agido por ignorância ou de forma desastrada? Não existe diferença entre o assassino de negros e alguém que erra reproduzindo coisas que não conseguiu (ainda) enxergar como preconceituosas? Não devemos, por acaso, agir de acordo com os tons de cinza de um assunto tão grave e tão disseminado mesmo nos mais diminutos gestos de nossa sociedade? É isso que desejamos - pular todas as etapas de discussão e passar direto para a fogueira, tochas em punho, transformando o Facebook em nossa Salem coletiva? Não será esse desespero justiceiro uma forma de calar, com ânsia e severidade, o traço do criminoso que enxergamos em nós mesmos?

38denúncias39

A intenção era boa, a luta contra o racismo é nobre e urgente? Pois lembro que é possível cometer a infâmia desejando a bondade, que qualquer um pode jogar a desgraça sobre aqueles que deseja amar e proteger - basta agir de forma irrefletida, acompanhando a manada, sem enxergar o humano que existe em nosso momentâneo antagonista. Assim agiram os que lincharam (sim, lincharam) a família que vestiu seu filho com as roupas de Abu: movidos talvez por boas intenções, mas apenas pavimentando com elas o caminho do inferno de algumas pessoas que não conhecem, que jamais viram e que a quem não deram sequer a consideração de uma defesa. Que alguma lição saia desse episódio lamentável.  

Imagem: Divulgação / Disney

Be the first to like it!

Comments

People also liked

Related stories
1.Paris Smitten With Play-Within-A-Play On Lovelorn Man
2.5 Killed In Illinois Gun Attack At Factory
3.Footballer Sala’s Body Returned To Hometown For Funeral
4.Hotel Crews Being Trained To Spot Human Trafficking
5.Airbus Scrapping Iconic Superjumbo A380
6.Buying Into No-Buy
7.Black Leopard Sighted After More Than A Century
8.Soccer Player Hakeem al-Araibi Freed From Thai Jail
9.U.S. Has A Brush With China, Now At Sea
10.Bezos Points To High Connections In Alleged Blackmail
500x500
500x500