CINEMA

Dançando no escuro

Author

Protagonizado pela cantora Björk, Dançando no Escuro é um drama escrito e dirigido pelo dinamarquês Lars Von Trier. Lançado em 2000, o longa conta a história de Selma, uma imigrante tcheca que está perdendo aos poucos a visão por sofrer de uma doença hereditária. Preocupada com o filho, que pode sofrer o mesmo destino que ela, a moça trabalha duramente numa fábrica no interior dos Estados Unidos, com o objetivo de juntar dinheiro para pagar a operação que pode curá-lo.

Selma e seu filho Gene (Vladan Kostig) moram num trailer na propriedade de Linda (Cara Seymor) e Bill (David Morse), que a ajudam com as despesas e cuidando do menino. Endividado, Bill acaba descobrindo que Selma junta dinheiro para a operação de Gene e rouba a vizinha. Esse episódio acaba gerando uma série de acontecimentos trágicos que culminam com a morte de Bill e a prisão e julgamento de Selma.

O filme é muito cru, sem grandes artifícios técnicos, gravado inteiro com câmera digital pelas mãos do próprio diretor. Esse enfoque enfatiza ainda mais a profundidade da história e o fato de que ela é o foco e não a ambientação e os efeitos do filme. Esse aspecto técnico juntamente com o roteiro acaba impedindo no espectador a sensação de escapismo, tão presentes nos filmes produzidos por Hollywood. A todo tempo a própria trama nos lembra do quão cruel o mundo está sendo com a protagonista.

Dançando no escuro

Selma é apaixonada por musicais e como forma de escapar da sua triste realidade ela imagina que está dentro de um deles. Pode-se perceber que esses são seus únicos momentos felizes pelas próprias cores do filme, que ficam mais alegres enquanto ela canta. Escritas pela própria Björk, as músicas revelam os sentimentos e angústias da personagem, “[...] I’ve seen what I was and I know what I’ll be. I’ve seen it all - there is no more to see!”.

O longa traz várias críticas embutidas ao país onde a história é veiculada. Tanto pela jornada de trabalho exaustiva na fábrica onde Selma trabalha, quanto pela forma com que a justiça tratou o caso, com total descaso e de forma totalmente preconceituosa pela nacionalidade da jovem.

Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes como melhor filme e como melhor interpretação feminina, o filme traz interpretações consistentes e grande performance de Björk, que está incrível e totalmente entregue ao papel da inocente Selma.

Dançando nos Escuro é um drama difícil de digerir. Nas quase três horas de filme, Lars entrega uma história cruel, triste e sofrida, que provoca e abala o espectador. Não há como sair imune dessa experiência.