POLÍTICA

Expectativa jurídica, decepção política

Author

As vezes nós desejamos uma realidade que sabemos que não irá acontecer. Comentamos com nossos amigos sobre essa realidade, sobre esse futuro que está idealizado em nossas mentes. E qualquer um que frustre nossa prévia-idealização passa a ser inimigo, passa-se ao ataque contra quem nos quer tirar das nossas fantasias.

Isso serve para planos individuais, para o amor e para política. Um carro que queres comprar mas que não possuís dinheiro, uma mulher que amas mas que não és correspondido, alguém que queiras ver concorrendo mas que as condições materiais do momento não o possibilitarão que concorra. Isso tudo são fragmentos da realidade que entram em choque com a nossa vontade e nossas prévia-idealizações. Óbvio que pela força que a realidade tem sobre nós para nos impor o que ela está sendo é muito maior do que a força que temos para mudá-la quando desejamos. Isso se dá, pois escolhas erradas no passado criam a nós uma realidade no presente que não mais podemos mudar instantaneamente como gostaríamos, mas para que isso ocorra tem-se de fazer novas escolhas com base na atual realidade criada por nós mesmos.

Então, podemos passar horas e horas discutindo se "foi ou não golpe", se "Lula é criminoso ou não", se "eleição sem Lula é fraude ou não". A realidade quanto a isso é: o impeachment passou com crivo do STF. As arbitrariedades de Moro contra o PT passaram com o crivo do STF. Lula foi condenado com o crivo do STF também. Porque então tu achas que o STF livrará Lula? Porque então tu achas que o TSE que estará logo logo no comando da Cármen Lúcia, amiguinha do Temer e da Shell, livrará a cara de Lula da lei Ficha Limpa e deixará ele concorrer?

Esse é o resultado da realidade criada por escolhas do passado recente. Michel Temer de vice que deu a ele os poderes para articular um golpe de Estado, junto com Eduardo Cunha que tinha em suas mãos uma câmara de deputados e Furnas para distribuir dinheiro loucamente pelo congresso e comprar todo mundo. Do outro lado tinha Renan Calheiros no senado e todo seu fisiologismo de político experiente, que mesmo sendo contra o impeachment se viu isolado, já que o PT não reagiu e ficou como um gado o processo inteiro, e Renan foi obrigado para sobreviver a compactuar com aquilo (sem passar pano pra ele, mas é só lembrar do áudio do Jucá dizendo que "só o Renan tá contra essa porra"). E dando aval a isso tudo, um STF que de sua maioria um bando de reacionários indicados pelo PT (7 dos 11 ministros foram indicados pelo PT) não falaram um "ai" sobre arbitrariedades e irregularidades jurídicas do impeachment e de todo o processo do Lula.

Percebamos então que a realidade está posta ai na nossa cara, nós a construímos assim, basta tu escolher, irás querer continuar vivendo no mundo cor-de-rosa onde Lula não será condenado e virará presidente, ou retirará a venda que te cobre os olhos para a realidade e ver que nas mãos de Cármen Lúcia Lula estará perdido. Ficarás novamente como um gado a espera que abatedouro (também chamado de Judiciário) mude de idéia como foi no impeachment ou tu começará a pensar em novas alternativas, novos candidatos, novas alianças, novos caminhos para o futuro? Saia de suas prévias-idealizações que não irão acontecer e veja a realidade que está acontecendo.

Expectativa jurídica, decepção política