RAÇA

Pedro Cardoso defende Taís Araújo e abandona programa da TV Brasil

Author
Pedro Cardoso defende Taís Araújo e abandona programa da TV Brasil

Reprodução / TV Brasil

A internet está ensandecida com a atitude do ator Pedro Cardoso de se solidarizar com os funcionários da TV Brasil em greve e se retirar do programa "Sem Censura" durante a transmissão ao vivo. Mas é bom salientar que o eterno Agostinho Carrara, de "A Grande Família", também aproveitou sua breve fala antes de deixar o estúdio para apoiar Taís Araújo depois que o presidente da EBC (Empresa Brasileira de Comunicação), Laerte Rimoli, compartilhou nas redes sociais postagens que ironizam a declaração da atriz quando afirmou que a cor do seu filho faz com que as pessoas mudem de calçada no Brasil.

"O que eu soube também quando cheguei aqui é que o presidente desta empresa, que pertence ao povo brasileiro, fez comentários extremamente inapropriados a respeito do que teria dito uma colega minha em que a presença do sangue africano é visível na pele. Porque o sangue africano está presente em todos nós e, em alguns de nós, está presente também na pele. Mas em todos nós ele está. Então, se esta empresa, que é casa do povo brasileiro, tem na presidência uma pessoa que fala contra isso, eu não posso falar do assunto que eu vim falar aqui", afirmou Cardoso.

O presidente da EBC compartilhou em seu perfil no Facebook imagens de meme em que uma criança branca corria ao ver a Taís Araújo acompanhada de seu filho. Não foi a primeira manifestação racista Rimoli nas redes sociais, recentemente ele também engrossou o coro dos jornalistas conservadores que tentaram apoiar William Waack depois de ser flagrado nos bastidores fazendo comentário racista: “é coisa de preto”.

O Fórum Nacional pela Democratização (FNDC) deve entrar com uma representação contra Laerte Rimoli ao Ministério Público Federal. A entidade pediu a sua imediata demissão do gestor que administra alguns dos principais órgãos de comunicação do governo federal, como a TV Brasil e a Agência Brasil, e produz programas como "A Voz do Brasil". Como bem disse Pedro Cardoso: um conjunto de empresas do povo que não pode seguir sob o comando de alguém que reverbera racismo nesse país. Espera-se que ele se una ao seu tão estimado William Waack e seja afastado de pronto.

É crucial que vozes públicas se posicionem em repúdio ao escárnio com que Taís Araújo vem sendo atacada na web. No Dia da Consciência Negra, o secretário estadual de educação do Rio de Janeiro, Cesar Benjamim, defendeu que a “racialização” é uma invenção norte-americana e que o discurso da Taís Araújo no TedEx sobre racismo cotidiano sofrido por jovens negros é uma “idiotice” racial.