PUBLICIDADE

Por que o vídeo de caridade de Ed Sheeran não faz bem a ninguém

Author

Nem toda campanha 'bonitinha' é realmente positiva...

Por que o vídeo de caridade de Ed Sheeran não faz bem a ninguém

Desde 2013, o projeto norueguês Radi-Aid, dedicado a analisar instituições de caridade mundo afora, resolveu criar uma nova categoria: a dos piores vídeos de angariação de fundos. A equipe de júri, especialista em ações desse tipo, determina qual foi o vídeo que mais reforçou estereótipos, sem de fato contribuir para a causa.

Nesse ano, um vídeo feito pelo cantor britânico Ed Sheeran está entre os três finalistas. No começo de 2017, o artista foi até a Libéria para pedir que as pessoas doassem dinheiro para a empresa Red Nose Day, que promove ações contra a desigualdade social no mundo:

Abaixo, explicamos por que o vídeo de caridade de Ed Sheeran, por mais que possa ter boas intenções, não faz bem a ninguém:

1. Ed Sheeran como estrela principal

O vídeo já começa mal com o título: “Ed Sheeran encontra um menino que mora nas ruas”. Por mais que possa parecer sensato colocar o cantor como centro das atenções, justamente para que mais pessoas tenham interesse em assistir, o vídeo peca ao não contextualizar a real situação da Libéria e de suas crianças. Segundo o painel de júri do prêmio, trata-se de um vídeo “apenas sobre o Ed Sheeran”. Ou seja: a estrela principal não pode ser o cantor mostrando seus sentimentos.

2. A mensagem

Durante o vídeo, Ed Sheeran diz que seu "instinto natural é simplesmente colocá-los em um carro e apenas levá-los", perguntando se ele pode pagar para que o menino africano e seus amigos que participam do vídeo fiquem em uma casa até que possam ser levados à escola. Enquanto Sheeran reconhece que o ponto da campanha é gerar doações de telespectadores, ele insiste: “não podemos deixar esse lugar sem levar essas crianças junto.”

O problema aqui não é a generosidade do cantor de querer levar as crianças com ele, e sim a mensagem que isso gera. O júri do Rusty Awards explica: “o vídeo não deveria ser sobre Ed Sheeran tentando resolver o problema sozinho. Deveria, isso sim, estimular que o mundo de fora intervenha na situação. Ele está realmente disposto a pagar a moradia do menino para sempre? Afirmar isso é irresponsável”.

3. A repercussão

Ao invés de gerar histórias na mídia de meninos como JD, que participa do vídeo junto com o cantor, a campanha acabou fazendo com que o foco fosse o oposto do esperado. Títulos como “Menino libanês resgatado por Ed Sheeran dá entrevista” foram produzidos pela imprensa. Ou seja: o menino é apenas um objeto anônimo do heroísmo do cantor britânico.