ENTRETENIMENTO

Por que um vilarejo na França é uma mina de ouro para caçadores de tesouro

Author

Durante mais de 50 anos, boatos de ouro enterrado fizeram com que centenas de pessoas fossem até o vilarejo de Rennes-le-Château, na França. 

Por que um vilarejo na França é uma mina de ouro para caçadores de tesouro

Segundo o que conta a lenda, o padre Abbé Bérenger Saunière teria enterrado metais preciosos perto de uma igreja na região. Em 1917, porém, ele faleceu, levando consigo o segredo de como encontrá-los. Desde então, centenas de pessoas cavam buracos e até colocam dinamites ao redor na área, em uma incessante busca pelo suposto tesouro escondido.

Em todas essas décadas, nada além de esqueletos e caveiras foi encontrado, mas, ainda assim, os caçadores de tesouro dirigem-se até Rennes-Le-Château, violando a proibição de escavação que foi regulamentada a partir de 1960. Na semana passada, inclusive, a polícia foi chamada para investigar o mais recente ato de vandalismo na região: um grande buraco sob a parede da igreja.

O mito teve seu início durante a década de 50, impulsionado pelo boato de que não haveria somente potes de ouro, como também o corpo de Jesus Cristo, o sagrado Graal e a arca da aliança. 

Por que um vilarejo na França é uma mina de ouro para caçadores de tesouro

Historicamente, os caçadores de tesouro voltaram a ganhar destaque em 1880, depois que Sauniére, um sacerdote católico, supostamente encontrou em escavações uma fortuna que lhe permitiu renovar toda uma igreja, além de passar o resto de sua vida no sossego. A história fez tanto sucesso que passaram também a querer desenterrar o corpo do sacerdote. Isso durou até 1970, quando o prefeito da cidade se viu obrigado a intervir, desenterrando e enterrando novamente Sauniére, dessa vez com mais condições de segurança.

O mistério e a curiosidade ficaram ainda maiores quando Dan Brown lançou seu best-seller "O Código da Vinci", no qual afirmava que de que Jesus não morreu na cruz, em Jerusalém, - e sim na França. 

O vice-prefeito de Rennes-le-Château, Marcel Captier, se mostrou apreensivo quanto as últimas descobertas.  "Esse tipo de coisa não deve começar a acontecer de novo. Nós não queremos ter que lidar com outra onda de caçadores de tesouros ", disse ao jornal francês Le Parisien.

A maioria dos historiadores concluiu que o tesouro nunca existiu e Saunière arrecadou dinheiro através de métodos criminosos, inclusive roubando doações. Outra teoria é ainda mais prosaica: um hoteleiro local, lamentando a falta de convidados e seu próprio fracasso em encontrar algum tesouro, inventou toda a história.