TECNOLOGIA

As Smart Cities são o futuro das cidades através da tecnologia

Author
Masdar City, em Abu Dhabi, já é uma cidade inteligente
Masdar City, em Abu Dhabi, já é uma cidade inteligente

Smartphones, smart-tvs, carros smart, smart cities. A inteligência (“smart”, em inglês) nunca esteve tão presente no nosso dia a dia quanto ultimamente, desde os nossos dispositivos eletrônicos, passando pelos nossos próprios carros, tudo agora funciona com o máximo de tecnologia, como mais uma forma para facilitar a nossa vida. A “tendência” hi-tech e seus benefícios chegou inclusive no desenvolvimento e administração das cidades: as smart cities ou cidades inteligentes são um novo modelo de organização do ambiente em que vivemos.

Parece uma jogada óbvia para quem já se adapta a um ambiente tecnológico, mas a reconstrução das cidades de forma mais eficiente e inteligente é um desafio necessário para se enfrentar. Ao longo da nossa história vivemos diversas situações que nos colocaram na obrigação de encontrar novas saídas e soluções.O principal objetivo das cidades inteligentes é justamente esse: superar os problemas que o passado proporcionou criando um futuro mais prático e capaz de enfrentar novos desafios.

As smart cities são as cidades do futuro (aliás, veremos mais para frente que esse futuro já começou). Segundo o Instituto Francês de Estudos Demográficos, até 2050, a estimativa é que o número de pessoas no mundo cresça em 2,5 bilhões de habitantes. Ao mesmo tempo em que nossos recursos hídricos e energéticos diminuem a cada dia, nossos territórios tornam-se cada vez mais ocupados. A ideia de aldeia global nunca foi tão verdadeira: a previsão é que até 2050 pelo menos 97,5% da população mundial esteja conectada através de uma internet livre e de fácil acesso, incluindo os habitantes das regiões mais remotas e menos favorecidas. Nós vamos usar cada vez mais dispositivos conectados a uma rede única: roupas chipadas, relógios inteligentes, óculos com acesso à internet e que nos permitem acesso inclusive a uma realidade virtual.

A pergunta que se faz, portanto, é: quais os passos para acompanhar as mudanças no mundo?

Comecemos pelo que é, talvez, o maior desafio: resolver nossos problemas de mobilidade. Com o crescimento da população das cidades, é inevitável que mais pessoas precisem se deslocar nos centros urbanos e, portanto, procurem novos meios de transporte. As cidades, no entanto, não estão organizadas suficientemente para atender essa demanda. Resultado? O agravamento de problemas que já são bastante conhecidos: engarrafamentos, acidentes, além do aumento significativo da emissão de CO2.

Além disso, a moda dos recursos não-renováveis já é passado faz tempo. A tendência nas novas cidades é a utilização da energia fotovoltaica, aquela proveniente da luz do sol. Essa forma de produção de energia elétrica é barata e eficiente, já que depende unicamente da captação da energia que o sol transmite através da sua radiação. Além disso, utilizar a energia solar possibilita mais uma vez reduzir nossos danos ao meio ambiente: um metro quadrado de células fotovoltaicas produzem o equivalente à 215 quilos de lenha, 66 litros de diesel, 55 quilos de gás e evita que 56 metros quadrados sejam inundados para produção de energia hidroelétrica, segundo a Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (ABRAVA).

Em breve, você vai poder conferir aqui como essa ideia já está se desenvolvendo na prática.