DIREITOS CIVIS

10 números impressionantes da violência no Brasil

Author

10 números impressionantes da violência no Brasil

Que o país se tornou extremamente violento, não é segredo para ninguém. Mas colocar um número nos crimes pelo Brasil escancaram ainda mais a situação de medo que assola a população.

Mas fazer isso é fundamental para identificar nossas fortalezas e pontos fracos e, quem sabe, combater o que está errado. E é isso que faz, todos os anos, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), no Atlas da Violência.

A edição de 2018 acaba de ser divulgada e reúne estatísticas assustadoras sobre 2016. Confira:

Em 2016, aconteceram 62.517 homicídios no Brasil, uma marca histórica. Considerando o tamanho da população, a taxa de 30,3 mortes a cada cem mil habitantes é 30 vezes maior que o índice da Europa.

O país teve 49.497 casos de estupro em 2016, segundo o registro das polícias brasileiras. lembrando que há uma subnotificação deste tipo de crime, uma vez que as vítimas costumam ter medo de não encontrar o apoio necessário ao reportá-lo.

Do total de estupros, 50,9% foram cometidos contra crianças (até 13 anos) e 17% contra adolescentes. Essas vítimas, em 30,13% dos casos, foram estupradas por amigos e conhecidos da família.

O documento alerta que, além de sofrer a violência de gênero, as vítimas ainda sofrem vulnerabilidades por deficiências física ou psicológica, uma vez que cerca de 10,3% das vítimas de estupro apresentavam esse quadro.

Num momento em que muita gente pede a liberação do porte de armas no Brasil, é importante destacar um dado sobre esse assunto. Segundo o Atlas, entre 1980 e 2016, cerca de 910 mil pessoas foram mortas com o uso de armas de fogo. “O enfoque no controle responsável e na retirada de armas de fogo de circulação nas cidades deve, portanto, ser objetivo prioritário das políticas de segurança pública”, ressalta o documento.

O feminicídio também é crescente. A taxa de assassinatos de mulheres cresceu 6,4% nos últimos dez anos, aponta o documento.