MUNDO

5 coisas que você precisa saber sobre as eleições na Venezuela

Author

Nicolás Maduro foi reeleito neste final de semana para mais um mandato de seis anos como presidente da Venezuela. A eleição, porém, está sendo fortemente contestada pela comunidade internacional.

Twitter @nicolasmaduro
Twitter @nicolasmaduro

O pleito aconteceu num cenário de profunda crise humanitária, com candidatos opositores correndo risco até na hora de fazer campanha. O resultado pode agravar ainda mais as questões venezuelanas. Entenda como:

1- O Brasil (e vários outros países) não vão reconhecer o resultado das eleições

O Brasil decidiu não considerar como legítimo o processo eleitoral. Talvez o efeito disso seja mais simbólico do que prático, até que comecem a aparecer de fato retaliações (especialmente comerciais). Mas é importante ressaltar que o país não fez isso sozinho.

A decisão foi declarada em conjunto pelo Grupo de Lima, que além do país reúne Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia.

O grupo também decidiu reduzir ao máximo suas relações diplomáticas com a Venezuela e é aí que os efeitos práticos podem surgir. Todos esses países chamaram seus embaixadores para voltarem para casa (um forte sinal de protesto) e decidir os próximos passos, segundo o comunicado conjunto.

2 - O resultado das eleições pode aumentar a fuga de venezuelanos

A crise Venezuela está tão grave que, em alguns países, muitos venezuelanos já conseguem inclusive o status de refugiados políticos. Embora o presidente Nicolas Maduro não reconheça, existe sim uma crise migratória no país. Segundo dados do Grupo de Lima, entre 2017 e 2018, só o Brasil recebeu mais de 50 mil venezuelanos. Dentro do grupo, o país que mais recebeu pessoas fugindo da crise foi a Colômbia, com 800 mil venezuelanos chegando entre o ano passado e este.

3 - Os venezuelanos ficaram “presos” durante o processo eleitoral

A Venezuela fechou a fronteira com o Brasil durante o pleito, impedindo até a passagem dos venezuelanos que vão e voltam com frequência, mas não moram no Brasil. A situação é comum até para conseguir comprar mantimentos.

4 - Alguns países reconhecem sim as eleições

E o mais relevante deles talvez seja a Rússia, já que têm muitos negócios e sociedades com o país no setor de petróleo. China, Bolívia e Irã integram o grupo enxuto.

5 - A abstenção foi gigante

Os números não são muito sólidos. Entre dados oficiais e de observadores internacionais, a abstenção varia entre 50% e 80%. Mas mesmo no mais baixo dos níveis, já mostra o rechaço da população a votar no pleito deste final de semana.