MULHERES

Morte de Nara Almeida nos faz refletir sobre o papel das redes sociais

Author

Modelo morreu aos 24 anos, após registrar no Instagram sua luta contra o câncer

Reprodução Instagram @almeidanara
Reprodução Instagram @almeidanara

As redes sociais, especialmente o Instagram, estão cheias de fotos de meninas lindas, por dentro das novidades da moda, com o make impecável desfilando em bonitas paisagens. As chamadas influenciadoras digitais atraem uma multidão de fãs com seus posts inspiracionais.

Uma dessas meninas se destacava aqui no Brasil. Era a modelo Nara Almeida, que entre uma foto e outra na praia ou lugar lindo, postava imagens no hospital.

A modelo mostrava para seus mais de 4 milhões de seguidores no Instagram a rotina de sua luta contra um câncer no estômago, que descobriu em 2017.

Nara morreu na madrugada de segunda-feira, 21 de maio. Ela já vinha dizendo que o câncer havia se espalhado. O teor das fotos estava cada vez mais explícito e as legendas pareciam, cada vez mais, despedidas.

Seu último post, uma frase motivacional, havia sido postado em 4 de maio.

Que nenhum medo seja maior que minha FÉ na VIDA e em DEUS. 🕊❤️🙏

A post shared by Nara Almeida (@almeidanara) on

A morte, retratada “passo a passo”, nos faz refletir sobre o papel das redes sociais.

Nara usou o Instagram quase que como uma terapia. Postando das fotos mais singelas às mais fortes sobre seu tratamento, era como se conversasse com milhões de pessoas ao mesmo tempo.

Sempre seguindo o movimento “body positive”, que nas redes procura ressaltar as belezas fora do padrão, provavelmente serviu de inspiração e motivação para muitas pessoas. Inclusive pacientes do câncer.

Hoje começa uma nova fase na minha luta contra o câncer. Finalmente vou tomar a primeira dose de imunoterapia!! Depois de muitos exames e muita preparação meus médicos encontraram um medicamento que vai me fazer realmente bem e tenho a chance de salvar minha vida. Como muitos já sabem o remédio custa muito caro e depois de mt insistência infelizmente não obtivemos resposta do governo e não posso esperar, então fui pra luta. Estamos nos esforçando ao máximo para conseguir juntar dinheiro suficiente pra pagar os exames e a dose do medicamento. Mas Deus como sempre coloca anjos na minha vida e dessa vez colocou o @pato 💙ele se dispôs a pagar 6 meses de tratamento ( oh Glória) e a clinonco que fez a doação de 3 doses do medicamento,só Deus sabe a emoção que foi quando tive a confirmação de que eles iriam de verdade ajudar a salvar minha vida, SÓ GRATIDÃO!! Agora vamos torcer para esse medicamento fazer um efeito maravilhoso e eu me livrar dessa doença e acabar com esse sofrimento. Já faz um mês que estou na uti e ficarei o tempo que precisar se for pro meu bem. Vamos continuar vendendo camisetas e aceitando doações de quem quer ajudar pois infelizmente temos custos com exames e outras milhares de coisa que o plano não cobre! Mas não estamos fazendo nenhuma vakinha e nem divulgando contas bancárias.( cuidado com as vakinha e contas fakes) enfim estou muito confiante, cheia de esperanças e gratidão a Deus e a todos que me apoiam e acreditam na minha recuperação. Por mais difícil que pareça o problema, com Deus sempre haverá uma solução, eu entreguei minha vida e meus planos nas mãos de Deus e sei que ele tem o melhor pra mim, só peço sabedoria e paciência pra aguentar os dias difíceis, mas creio que no final tudo irá dar certo e vou sair disso muito fortalecida e pronta pra ajudar outras pessoas. OBRIGADA Deus, universo, família, equipe médica, @pato e a vcs por todo apoio! Juntos somos mais forte. 🙏🌟#cancer #positivevibes #oracao #forcaNara

A post shared by Nara Almeida (@almeidanara) on

O que acontece, então, quando a luta chega ao fim?

Alguns efeitos surgem. Do mesmo jeito que muita gente se sentiu acolhida, o maior risco agora é que seguidores se sintam desamparados.

As mensagens de adeus dirigidas para alguém que nunca vai ler também são um ponto polêmico sobre o assunto, mas que provavelmente servirá de conforto para a família.

A morte escancarada, além de tudo, choca. Mas é um risco que ronda a todos, independente da doença. E talvez encarar isso de frente só seja tão difícil porque é real.