VIAGEM

11 dicas para viajar com crianças pelo mundo

Author

Viajar é bom demais. Todo viajante deve se lembrar de sua primeira aventura, que provavelmente incluiu algum cenário de desespero com uma galera enorme enfiada numa casa pequena. Ou quem sabe uma cama fina e estranha num albergue ruim porque era a opção mais barata.

11 dicas para viajar com crianças pelo mundo

(Imagem: Pexels)

Lembra também de quando a coisa começou a melhorar um pouco. Nesse momento, o albergue talvez fosse um pouco melhor, a comida de vez em quando era num restaurante local e até um museu apareceu nessa programação.

Conclusão: o perfil das viagens muda de acordo com a fase da vida de quem embarca.

E quando os senhores passageiros viram pais, a estrada não precisa acabar. Mas é importante saber que algumas adaptações precisaram ser feitas.

Até a Kelly Key, que vive viajando com seu filho a tiracolo, falou publicamente no Instagram sobre as dores e sabores de partir com malas e um pequeno.

Com o tempo, cada família vai se adaptando e vendo o que funciona melhor para seus filhos. Mas têm algumas dicas básicas que são ótimas para clarear as ideias de pais e mães de -literalmente- primeira viagem. Confira:

1 - Identifique bem os pequenos

Prepare pulseiras com o nome da criança e dados de contato para qualquer emergência. Outra ideia é costurar na roupa etiquetas de identificação, na qual caibam mais informações. Assim, no caso de uma viagem para o exterior, por exemplo, dá para colocar informações em inglês e até no idioma do local. Além disso, a pulseira e a etiqueta são difíceis de crianças maiores retirarem, garantindo melhor a segurança em caso de emergência.

2 - Escolha a hospedagem com cuidado

O local que vai receber os pequenos precisa ser pensado de acordo com o perfil e personalidade das crianças. Será que é melhor ficar num hotel, onde os funcionários podem ser de grande ajuda? Ou será que é melhor alugar um apartamento ou casa, onde as crianças terão mais espaço para gastar energia? Todos esses pontos precisam ser pesados na hora de reservar um espaço para receber a família.

3 - Adapte a programação

Se o seu perfil é viajar para passar o dia todo batendo perna por museus ou fazendo trilhas na natureza, pense bem se esse é o tipo de programa que as crianças vão gostar. O ideal é equilibrar e combinar o gosto dos adultos com atividades pensadas exclusivamente para os pequenos. Afinal, as férias são de todos.

4 - Em caso de fuso horário, dê um dia de descanso

Tirar as crianças da rotina pode ser muito duro. Quando o destino pressupõe um fuso horário muito diferente do dia a dia, considere iniciar a programação turística com calma, deixando o primeiro dia livre para ajudar na adaptação.

5 - Antecipe questões de alimentação

4E28D014-C74B-4C11-9761-177E0F54CAA4
4E2DB745-19DC-4D54-BEBD-E390DDDF5678

Não é uma boa ideia mudar bruscamente a alimentação de crianças muito pequenas. Mas dependendo de qual for o destino, essa tarefa fica um pouco mais difícil. Pesquise com antecedência qual seria a dificuldade real de alimentar os mochileiros mirim da maneira mais próxima o possível da que são alimentados em casa. E no caso da comida local ser muito específica, pense na possibilidade de cozinhar opções na hospedagem.

6 - Prepare-se para o voo

Se a hora do avião pode ser bastante estressante até para adultos, imagine para crianças! Pense em qual será a duração da viagem e prepare-se de acordo. Leve jogos, passatempos, livros ou qualquer outra distração que as crianças já gostem de usar no dia a dia.

Para os menores, lembre-se de checar com antecedência se sua companhia aérea oferece alimentação especial. Lembre-se que não será possível embarcar com todo tipo de alimento em viagens internacionais, já que existe uma limitação a até 100 ml para líquidos. Ou seja: bem difícil levar leite, suco ou até comidas mais pastosas.

7 - Faça um seguro de saúde

Primeiro porque para alguns destinos internacionais, é obrigatório. Segundo porque como dizem por aí: criança sadia é criança sapeca. Eles correm, brincam, rolam no chão e nessa agitação toda, acidentes acontecem. Qualquer mal jeito que poderia ser facilmente resolvido em hospitais pode virar uma dor de cabeça imensa sem um seguro de viagem.

8 - Consulte o pediatra sobre quais medicamentos levar

Montar uma bolsa com medicamentos para viajar é importante em qualquer idade. Mais ainda para os pequenos. Um médico pode ajudar a decidir que itens colocar nessa lista, além de preparar uma receita que deve ser levada sempre com os produtos, pois pode ser exigida na entrada de alguns destinos.

9 - Faça trâmites de aeroporto com antecedência

Fila, check-in, despacho de bagagem... tudo isso é uma chatice. Agora pense em ter que fazer isso tudo enquanto acalma os ânimos de uma criança louca para partir logo para as férias. É natural que a parte burocrática fique mais lenta nesse cenário, então acrescente pelo menos uma hora sobre o tempo que costuma levar para fazer tudo quando não está com os pequenos. Aproveite esse momento para checar também se há prioridade no embarque definida em sua companhia aérea.

10 - Para crianças maiores, explique (e defina) um orçamento

Se tem uma coisa que não falta em destinos turísticos, é o estímulo ao consumo. Em qualquer lugar é sempre loja de lembranças, coisas diferentes, cores e sabores que mexem com a cabeça (e o bolso) de viajantes. Quando as crianças são um pouco maiores, precisam entender o conceito de orçamento. A dica é explicar e definir um valor para que ela própria defina como vai gastar o dinheiro dos supérfluos.

11 – Cuide bem da documentação

Em alguns casos, quando as crianças vão viajar com apenas um dos pais, é obrigatório ter a autorização de ambos. É importante verificar essa regra com antecedência. Além disso, é fundamental fazer cópias dos documentos de viagem para que a própria criança fique com pelo menos uma.