É a desigualdade, estúpido! Eis o tema econômico da eleição

É a desigualdade, estúpido! Eis o tema econômico da eleição

Selic, déficit primário, ajuste fiscal, teto de gastos... no dia a dia, os brasileiros só percebem um aspecto da economia: os ricos estão mais ricos, e os pobres estão mais pobres

Miséria é miséria em qualquer canto... algo de que os candidatos não podem se esquecer (Foto: Márcio Juliboni)

Esqueça a tão festejada queda da taxa básica de juros (Selic) aos níveis mais baixos da história. Esqueça a austeridade fiscal para reduzir o déficit primário. Esqueça a expectativa de inflação abaixo do centro da meta neste ano. No dia a dia, os brasileiros não enxergam nada disso. Mas há algo que compreendem bem, e que o IBGE acabou de expressar em números dramáticos: a desigualdade entre ricos e pobres cresceu em todas as regiões, com exceção do Sudeste, entre 2016 e 2017. Traduzindo, após tanta agitação pelo impeachment de Dilma Rousseff, com o pretexto, entre outros, de que Michel Temer seria melhor, o que se viu de fato foi o aumento do fosso entre os de cima e os de baixo.

Para não descarregar um caminhão de números sobre você, pobre leitor, ficaremos em apenas dois. O índice Gini, que mede a desigualdade, deu um belo salto pelo país em 2017. Como se sabe, quanto mais próximo de zero, mais igualitário é o país; quanto mais próximo de 1, mais desigual é. O índice geral do Brasil ficou no mesmíssimo 0,549 registrado em 2016, às custas da redução da desigualdade no Sudeste de 0,535 para 0,529. É verdade que se trata da região mais rica, industrializada e populosa do país, concentrando 42% dos habitantes, mas e os outros 58%? Bem... no ano passado, a maioria desses brasileiros viu a diferença entre seu padrão de vida e o dos mais ricos se alargar. As maiores altas couberam ao Nordeste (de 0,555 para 0,567) e ao Centro-Oeste (de 0,523 para 0,536).

Contando centavos

O último número: no ano passado, os 10% mais ricos detinham 43% da renda nacional, enquanto os 50% mais pobres ficaram com 15%... o que isso significa na prática? Aí vai um exemplo bem didático. Imagine que toda a população brasileira some apenas 100 pessoas. Imagine, também, que todos os rendimentos (salários, aposentadorias, pensões, aluguéis, investimentos etc.) totalizem R$ 100. Numa sociedade rigorosamente justa, cada cidadão teria R$ 1 no bolso. Mas... na realidade, as 10 pessoas mais ricas terão, em conjunto, R$ 43 – o equivalente a R$ 4,30 por cabeça. Já as 50 pessoas mais pobres somarão R$ 15. Faça a conta. Bem, eu fiz para você: isso corresponde a R$ 0,30 por cabeça. Sim, sim, sim... cada uma terá de se virar com 30 centavos. Na prática, cada um dos 10% mais ricos do Brasil terminou 2017 com 14 vezes mais dinheiro no bolso que cada um dos 50% mais pobres.

Não é difícil, portanto, imaginar quão refratários estarão os eleitores, em outubro, diante do palavreado empolado da maioria dos candidatos, quando se trata de economia. Isso prejudicará sobretudo aquele que se apresentar como o nome do governo, com a ingrata missão de defender o “legado” de Michel Temer. Por ora, o candidato mais provável a essa guilhotina eleitoral é o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles. Mas os malabarismos conceituais também vão prejudicar quem quer que se atreva a contrariar o fato mais cristalino destas eleições: a maioria dos brasileiros está mais pobre e mais distante de um padrão digno de vida. Disfarçar isso com jargões econômicos não atrairá nenhum voto. Muito pelo contrário...

Be the first to like it!

People also liked

Related stories
1.The Couple That Sold Everything To Find Freedom
2.6.) The Worlds First Look At Kendall K
3.Now in the Spotlight: The women behind "Hidden Figures"
4.The money-is-no-object wedding
5.Meet the #H8rs!!
6."Murder is hot" in the media
7.Beautifully sustainable leather made from pineapple waste
8.Chinese New Year ??
9.Have you seen The 100 ?
10.Top architectural wonders mix of history & future
500x500
500x500