ECONOMIA

Só petistas criticam o governo? Abra o olho, Jucá

Author

Até parece que Jucá e o PMDB estavam em Marte durante os governos Lula e Dilma

Só petistas criticam o governo? Abra o olho, Jucá

Questão filosófica: como Jucá liga críticas a petistas? (Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr)

A esta altura, você já deve ter visto (ou, pelo menos, sabido) o vídeo em que o senador e presidente nacional do PMDB, Romero Jucá, é hostilizado por uma passageira num voo de Brasília para São Paulo. O caso ocorreu nesta quarta-feira (29), mas continua repercutindo em redes sociais e sites noticiosos. Mais do que o episódio em si (todos os cidadãos têm o direito de questionar seus representantes, dentro dos limites da lei), o importante mesmo é analisar a reação de Jucá – e o quanto ela revela sobre a miopia e a desinformação em que os políticos estão metidos. Ao ser abordado por Rúbia Sagaz, Jucá disparou: “Você deve ser petista, né? Por isso que a gente tirou vocês.”

Essas duas frases condensam questões importantes sobre o buraco em que o Brasil se meteu nos últimos anos. Consideremos a primeira delas: “Você deve ser petista, né?” Para começar, por que Jucá associou automaticamente Rúbia ao petismo? A primeira e mais óbvia resposta é que o peemedebista é político há muito tempo e, portanto, pensa como tal. Sua estrutura mental divide o mundo entre aliados e opositores. Os primeiros não ousariam abordá-lo de modo tão ostensivo. Suas críticas e ressalvas seriam feitas ao pé do ouvido, longe de câmaras e celulares indiscretos. Só os opositores teriam interesse em confrontá-lo publicamente; de lembrá-lo sobre sua tentativa de “estancar a sangria” da Lava Jato e das articulações para livrar amigos da Justiça.

A segunda resposta, igualmente óbvia, é que, para Jucá, oposição hoje é sinônimo de PT. Não deixa de ser verdade, mas uma meia-verdade, já que o senador foi íntimo dos governos petistas. Foi ministro da Previdência e, depois, líder do governo durante a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva. Posteriormente, foi escalado por Dilma Rousseff também para a liderança do governo. O que nos leva à terceira resposta: Jucá não enxerga o povo, os brasileiros comuns, sem vínculos partidários ou ideológicos. Vê apenas legendas, bandeiras e camisetas ocultas. O erro não é apenas do senador. No geral, políticos de todas as colorações dividem o mundo entre aliados e adversários. Assim, valorizam as bajulações e elogios, e dispensam solenemente críticas como “intriga da oposição”. Além de ser pouco democrática, é uma atitude arrogante que os impede de compreender realmente o que se passa no país. Pese a seu favor que, no geral, o clima de Fla-Flu político contamina também os cidadãos comuns, cada vez mais maniqueístas nas discussões políticas.

Quem se esquece?

A segunda parte da resposta de Jucá à passageira (“Por isso que a gente tirou vocês.”) é intrigante. Qual é a relação de causa e consequência entre ser petista e, portanto, ser retirado do governo pelo PMDB? Uma hipótese é: petistas são críticos ao que fazemos de errado e, portanto, devem cair. O problema desse raciocínio é que o PT foi o maior cúmplice do PMDB na farra da corrupção que dilapidou a Petrobras, entre outros esquemas. Desde os tempos de Lula, petistas e peemedebistas dividiram cargos e propinas com a felicidade de quem nunca comeu melado. Eram os tempos de afagos de Lula a Sérgio Cabral, Eduardo Paes, Romero Jucá, Renan Calheiros, José Sarney... até Michel Temer, esse “golpista”, foi indicado por Lula para a vice-presidência de Dilma Rousseff.

Outra hipótese é que qualquer crítica a Jucá e ao governo Temer só pode ser coisa de petista – e os atuais inquilinos do Planalto não toleram críticas. Os incomodados que se mudem, ou serão postos para fora a pontapés. É possível que a resposta passe por aí. Fora, é claro, a maior e mais clara: PMDB e PT viveram uma luta aguerrida pelo poder nos governos Lula e Dilma, com o objetivo de ocupar os espaços por onde mais circulava dinheiro a ser desviado para seus esquemas. Ao mesmo tempo, Dilma mostrou-se incapaz de barrar a Lava Jato, a fim de que não atrapalhasse os interesses de ninguém.

De qualquer modo, a reação de Jucá, ao ser abordado por Rúbia no avião ontem, revelou muito mais que uma grosseria do senador. Mostrou o quão tosco, binário e sectário é o pensamento de quem detém o poder no Brasil, a ponto de justificar-se dizendo que ele e seus cúmplices estão “recuperando o país” que “vocês [petistas] quebraram.” Até parece que Jucá e o PMDB passaram os últimos 15 anos na oposição.