CIÊNCIA

Veja como é feito o telescópio gigante do Chile

Author

Artefato em construção pode ajudar a humanidade a buscar vida em outros planetas da galáxia e descobrir como nasceram as primeiras estrelas do universo

Veja como é feito o telescópio gigante do Chile

(Imagem: GMTO)

Um telescópio poderoso nos permite olhar não só para bem longe, mas também para bem longe... no passado. É que suas lentes gigantescas visualizam no espaço luzes emitidas há bilhões de anos, tornando possível estudar com exatidão como o universo se formou.

Esse é justamente o objetivo por trás de um novo artefato em construção no Chile. O Giant Magellan Telescope será tão grande e potente que captará luzes em trânsito pela galáxia há pelo menos 12 bilhões de anos - ou seja, desde que nosso universo de 13,7 bilhões de anos era apenas um bebê.

A superfície óptica do novo brinquedo terá 24 metros. Será dez vezes maior que a do Hubble, o telescópio espacial lançado pela NASA nos anos 90 e até hoje em órbita. Esse projeto de US$ 1 bilhão, financiado por 11 grandes empresas, começou em 2003 e deve ficar pronto só depois de 2025. Sim, é bem demorado mesmo construir ferramentas ultraprecisas e caras no mundo da ciência.

Atualmente, os cientistas estão trabalhando no quinto espelho do equipamento. No total, ele terá sete. O processo não é nada fácil, pois exige o derretimento de toneladas de vidro numa fornalha, material que depois é moldado no formato perfeito para a ampliação de imagens. Veja só o processo final de construção de um espelho:

E por que ele ficará no Chile? São três os principais motivos: as grandes regiões desérticas estão longe de qualquer perigo de contaminação da luz; o céu praticamente não tem nuvens, e a temperatura fria, porém amena, é considerada ideal.

Além de visualizar melhor as evidências do Big Bang, quando estiver pronto o telescópio poderá ser usado para explorar as origens de elementos como carbono e hidrogênio. Outra ideia é encontrar planetas orbitando as estrelas mais jovens - e, talvez, quem sabe, um dia achar sinais de vida por lá.