MULHERES

Cardi B pode ser primeira mulher a ganhar Grammy de Melhor Performance de Rap

Author
Cardi B pode ser primeira mulher a ganhar Grammy de Melhor Performance de Rap

(Imagem: Reprodução/Youtube)

Amanhã acontece a sexagésima cerimônia do Grammy, e a cantora Cardi B pode entrar para a história como a primeira mulher a vencer na categoria de Melhor Performance de Rap. Isso mesmo, mesmo com nomes de peso como Nicki Minaj, Missy Elliott, Lauryn Hill, Salt-N-Pepa e Remy Ma, nunca uma mulher venceu na categoria. Com "Bodak Yellow", Cardi B também está concorrendo na categoria de Melhor Música de Rap.

Em uma indústria que é dominada por homens, a rapper de 25 anos, que foi a revelação de 2017, concorre com Jay-Z, Big Sean, Kendrick Lamar e Migos. Com o hit "Bodak Yellow", Cardi B se destacou como a primeira rapper mulher, desde 1998, a entrar na lista dos 100 melhores da Billboard, ficando em primeiro lugar por três semanas e desbancando Taylor Swift. "Bodak Yellow" apareceu em diversas listas das 10 melhores músicas do ano, segundo a crítica especializada, foi o hit do verão nos Estados Unidos, e seu clipe já tem mais de 400 milhões de views no YouTube.

De pai trinidadiano e mãe dominicana, a artista foi criada em uma região latina do Bronx, e traz em seu sotaque sua latinidade, o que para parte do público americano é motivo de piada. Em uma entrevista sua para Jimmy Fallon, a plateia morre de rir toda vez que a cantora abre a boca, com seus maneirismos e gírias. Mas foi esse jeito peculiar que levou Cardi B ao estrelato.

Presa em um relacionamento abusivo e sem dinheiro para se sustentar, antes da fama ela começou a trabalhar como stripper, em um clube de Nova York. A cantora fala abertamente dessa época de sua vida, e em um verso de "Bodak Yellow" canta: "não preciso mais dançar, agora eu tenho dinheiro". Nessa época de perrengue Cardi B começou a postar vídeos no Instagram, falando de sua vida de um jeito franco e divertido, e logo se tornou bastante popular. Com o sucesso, foi convidada a participar do programa "Love & Hip Hop: New York", do canal VH1, que foi seu passaporte para a fama.

Apesar de algumas letras controversas e de uma certa sexualização do seu corpo, Cardi B encontrou apoio no meio feminista e, à sua própria maneira, leva empoderamento para a comunidade afro-latina. “Algumas pessoas acham que ser feminista é ter um diploma, ter um vocabulário refinado, e não é. Feminista é uma mulher que acha que tem que ter os mesmo direitos que um homem”, disse ela, em uma entrevista para o The Guardian.