TV

'Simpsons' aborda acusações de racismo da pior maneira

Author
'Simpsons' aborda acusações de racismo da pior maneira

A importância histórica da série "Os Simpsons" é inegável. No ar há quase 30 anos, eles são um fenômeno mundial, e Homer Simpson ainda é uma das personalidades mais influentes do planeta. Com o passar dos anos, a série abordou muitos temas considerados tabus, como o casamento igualitário, feminismo e violência doméstica. A maneira como esses assuntos foram retratados, no entanto, nem sempre foi positiva, e a série coleciona algumas polêmicas ao longo de suas 29 temporadas. Em geral, os produtores recebem bem as críticas e reavaliam e redirecionam os valores transmitidos pela série. Não foi o caso do episódio "No Good Read Goes Unpunished", que foi ao ar no dia 8 de abril nos Estados Unidos.

Tudo começou com o lançamento do documentário "O Problema com Apu", em 2017. O filme, apresentado pelo comediante indiano-americano Utkarsh Ambudkar, um grande fã dos Simpsons, investiga a trajetória do personagem dono do Kwik-E Mart, e a maneira como ele influenciou a cultura pop. Ao mesmo tempo em que reconhece seu impacto positivo, trazendo representatividade de um grupo que nunca aparecia na TV ou no cinema americano, o filme aponta que os estereótipos negativos perpetuados por Apu causaram mais estrago do que benefício à população sul-asiática.

O filme tem depoimentos de estrelas americanas de origem indiana, como Aziz Ansari e Kal Penn, que contam como sofreram bullying e foram vítimas de pessoas que enxergavam todos os indianos na figura de Apu, ou seja, avarentos, desonestos e caloteiros. O documentário aborda também a maneira como "Os Simpsons" estereotipa raças e culturas não-brancas, em geral, e explicam que isso tem um impacto ainda maior para indianos e paquistaneses, porque na época não havia outros personagens dessa etnia na cultura pop. O fato de Apu ter a voz de um ator branco, que imita trejeitos indianos de maneira exagerada, também é problematizado no filme. Outros famosos não-brancos, como Whoopi Goldberg, também falam sobre representatividade na série.

'Simpsons' aborda acusações de racismo da pior maneira

Apu existe há 29 anos, e apesar de ter sido frequentemente criticado e apontado como racista ao longo de sua existência, nada mudou na retratação do personagem. Em vez de aproveitar o lançamento do documentário, que tem dezenas de depoimentos pessoais sobre como Apu prejudicou a imagem de todo um grupo étnico, para fazer reparações, a série optou por fazer um comentário cínico e raso. No episódio que foi ao ar dia 8, Marge lê para Lisa um livro que editou para torná-lo mais "inocente", o que ela chama de "tirar o espírito e o carisma". Lisa aponta que se a personagem é perfeita, não existe motivo para que a história seja contada. Então ela se dirige diretamente ao público: "Algo que começou há décadas e foi aplaudido e inofensivo agora está politicamente incorreto. O que podemos fazer?". Marge responde que algumas coisas só serão resolvidas no futuro, ao que Lisa responde: "Se forem resolvidas". Enquanto isso, é mostrada uma foto de Apu com a frase "Don't have a cow", algo que pode ser traduzido como "não exagere".

Além da resposta ser extremamente simplista, ela é incorreta. Os problemas de Apu não têm a ver com seu arco narrativo. Ele é o mesmo estereótipo há quase trinta anos. E Apu pode ter sido aplaudido no passado, mas nunca foi inofensivo. Os depoimentos de dezenas de pessoas, que sofreram bullying com referências diretas ao personagem, estão registrados no documentário e provam isso. Dizer que o personagem é inocente é desmerecer a experiência dessas pessoas. Atribuir o problema ao "politicamente correto" também é uma desonestidade. Existe uma forte polarização quando se trata de questões sociais, especialmente de minorias e grupos étnicos. Muitos problemas relevantes, que precisam ser discutidos, são creditados por grupos conservadores na conta do "politicamente correto", o que hoje em dia é o equivalente a dizer que é tudo "mimimi".

Os Simpsons nunca lidaram com essas questões de maneira tão conservadora. A própria personagem de Lisa Simpson é uma prova disso. Lisa sempre foi a consciência de uma família que raramente mostrava algum senso crítico. Ela sempre defendeu causas sociais importantes na série, e sempre esteve do lado das minorias. Ela é vegetariana e feminista. Já lutou pelos direitos dos animais e já fez uma revolução para que a boneca Malibu Stacy não perpetuasse estereótipos sexistas. E apesar da série já ter tirado sarro com o espírito de ativista da personagem, Lisa sempre foi mostrada sob uma luz positiva. Colocar na boca da personagem uma frase tão retrógrada é um desserviço ainda maior.

'Simpsons' aborda acusações de racismo da pior maneira

Resolver o problema com o Apu não é fácil, mas também não é impossível. Ninguém está pedindo para que o personagem seja censurado ou cortado de todos os episódios passados. A Warner tomou uma decisão interessante nesse aspecto, e mantém em seu arquivo animações com teor racista, que hoje vêm com um aviso de conteúdo problemático. "Os desenhos que você vai assistir são produto de seu tempo. Eles podem mostrar preconceitos étnicos e raciais, que eram comuns na sociedade americana. Essas retratações eram erradas na época e são erradas hoje. Mesmo que o que vem a seguir não represente as visões da Warner Bros hoje, esses desenhos serão transmitidos da maneira como foram criados, porque fazer de outra maneira seria o mesmo que dizer que esses preconceitos não existiram".

No caso de Apu, um bom começo seria substituir a voz de Hank Azaria e contratar um ator indiano em seu lugar. E não, não estou sugerindo a demissão do ator. Azaria faz a voz de mais uma dezena de personagens, como Moe, Chefe Wiggum, Carl, Professor Frink e muitos outros. Tornar Apu um personagem mais profundo, com linhas narrativas e características menos estereotipadas, também é importante. A inclusão de novos personagens indianos ajudaria, apesar de que adições à série não tem, nem de longe, o mesmo impacto ou popularidade que o elenco original.

A criação e popularização de Apu passou incólume por quase 30 anos na televisão porque as pessoas que ele atingia não tinham voz. Pessoas sul-asiáticas em geral não eram representados em nenhum nível na cultura pop mundial, mas hoje isso está mudando. Aziz Ansari e Mindy Kaling, de origem indiana, e Kumail Nanjiani, paquistanês, são grandes estrelas de Hollywood. A internet deu espaço e voz para esses grupos, que hoje exercem influência na cultura pop. E apesar de ser visto com carinho por muita gente, hoje em dia Apu é apenas uma piada velha e datada. Se os Simpsons não tomarem o cuidado de se renovar e encontrar saídas mais inteligentes para críticas como essas, eventualmente vão perder a relevância.