ESPORTES

'Somos uma força e você não é nada', ginastas se unem e abusador é condenado

Author

Atletas americanas que sofreram abusos sexuais desde a infância viram o ex-médico Larry Nassar ser condenado. Ele deve passar o resto da vida na cadeia.

'Somos uma força e você não é nada', ginastas se unem e abusador é condenado

Imagem: Reprodução / Facebook Buzzfeed News

Foram 20 anos de abusos sexuais contra crianças e adolescentes, e apenas em 2016 as primeiras acusações vieram à tona. Larry Nassar era um dos nomes mais conceituados na área de medicina esportiva e vinha acompanhando o time olímpico de ginastas americanas desde 1986. Depois de sete dias ouvindo depoimentos de algumas das 156 vítimas, na quarta (24), a juíza Rosemarie Aquilina deu a sentença: condenado. O médico deve acrescentar 175 anos aos 60 anos que já está cumprindo por pornografia infantil.

O terror das atletas só teve fim após as Olimpíadas do Rio, quando duas garotas que haviam sido treinadas por Nassar fizeram denúncias formais. O caso repercutiu na mídia americana e o médico foi afastado. Em dezembro de 2016 o FBI foi envolvido no caso, e Nassar foi preso com quase 40 mil imagens de pornografia infantil em sua casa, incluindo um vídeo em que ele abusava de uma menina. Depois disso, 156 mulheres, incluindo estrelas da ginástica olímpica, como McKayla Maroney e Simone Biles, também o acusaram de abuso sexual e estupro.

"Larry, você percebe agora que este grupo de mulheres, de quem você abusou cruelmente durante anos, é agora uma força, e que você não é nada? O jogo virou, estamos aqui, agora temos voz, e não vamos a lugar nenhum", disse a ginasta Aly Raisman, em seu depoimento diante da juíza. Aly contou que os "tratamentos" com Nassar eram obrigatórios e eram feitos nos quartos de hotel, nas próprias camas das garotas. Se elas reclamassem, Nassar as denunciava e ameaçava de tirá-las do time olímpico. "Eu vim aqui hoje, Larry, pra te mostrar que eu recuperei a minha força. Não sou mais uma vítima, sou uma sobrevivente", completou a atleta.

Veja o depoimento emocionante abaixo: