POLÍTICA

10 declarações vergonhosas de Temer

Author

O "vice decorativo" de Dilma virou um excelente "presidente decorativo".

10 declarações vergonhosas de Temer

Michel Temer está nas piores semanas do seu mandato presidencial, sem dúvidas. A CCJ da Câmara dos Deputados votou pela admissão do seu processo por corrupção passiva e obstrução de Justiça. Se o processo se efetuar, talvez até setembro Temer não seja mais presidente e Rodrigo Maia, presidente da Câmara, entraria no seu lugar.

Antes que seja tarde, vale relembrar agora 10 declarações vergonhosas do nosso atual presidente, que ajudaram a melar ainda mais a reputação do Brasil, dentro e fora de seu território.

1. "Crise econômica no Brasil não existe. Pode levantar os dados e você verá que estamos crescendo no emprego, estamos crescendo na indústria, estamos crescendo no agronegócio".
Temer disse isso na reunião do G20 em 8 de julho de 2017.

2. "Mais uma vez, quero agradecer à vossa excelência e a todo o povo norueguês a gentileza e a delicadeza com que nos recebem. Embora voltando hoje [sexta] ao Brasil, desde já, com a reunião que tivemos ontem [quinta] com os empresários e da reunião que tivemos agora com vossa excelência e, mais adiante, com o parlamento brasileiro e, um pouco mais adiante, com sua majestade, o rei da Suécia, eu já tenho a mais firme convicção de que, embora muita rápida nossa visita, ela estreita cada vez mais os laços do Brasil com a Noruega".
Temer à primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg, no dia 23 de junho de 2017.

3. "Estive agora recentemente em Moscou, na Rússia, e depois na Noruega, e verifiquei o interesse extraordinário dos empreendimentos soviéticos, o deputado Perondi lá esteve em nossa comitiva, e nós pudemos verificar o interesse extraordinário de empresários soviéticos e noruegueses, no nosso país. pelo que está acontecendo no país".
Temer falou no dia 26 de junho de 2017, após voltar de viagem da Rússia e da Noruega.

4. "Cada país fez um relato daquilo que está fazendo no seu país, como eu pude fazer um relato daquilo que nós estamos fazendo no Brasil, gerando exatamente inflação baixa, reduzindo os juros, fazendo voltar o desemprego e combatendo a recessão".
Temer mandando mal no G20, ao se vangloriar do "desemprego". Informação divulgada na imprensa no dia 7 de julho de 2017.

5. "Na economia também a mulher tem grande participação. Ninguém é mais capaz de indicar os desajustes de preço no supermercado do que a mulher. Ninguém é capaz de melhor detectar as flutuações econômicas do que a mulher, pelo orçamento doméstico".
Temer no discurso de Dia Internacional da Mulher, em 8 de março de 2017.

6. “O que o Ricardo Barros fez na saúde foi uma coisa extraordinária. Ele começou a impedir tais ralos pelos quais saem recursos e, em pouquíssimo tempo, fizemos uma solenidade no Planalto, onde ele anunciou a economia de 800 milhões de cruzeiros, que significam novas UPAs e novas UBSs (unidades de saúde)”.
Temer na entrega de ambulâncias no Rio Grande do Sul em 9 de janeiro de 2017. O dinheiro citado pelo presidente deixou de circular em 1993.

7. "Obrigado a vocês por mais essa propaganda".
Temer aos apresentadores do Roda Viva, programa jornalístico da TV Cultura, em vídeo dos bastidores. De novembro de 2016.

8. "Hoje, graças a Deus, as mulheres tem possibilidade de empregabilidade que não tinha no ano passado. Com a queda da inflação, dos juros, significa que também, além de cuidar dos afazeres domésticos, terá um caminho cada vez mais longo para o emprego".
Temer falando mais besteiras no Dia Internacional da Mulher.

9. "Tenho convicção do quanto a mulher, pela minha criação, pela Marcela, faz pela casa, pelo lar, pelos filhos. Se a sociedade vai bem, se os filhos crescem, é porque tiveram adequada formação em suas casas e, seguramente, quem faz isso não é o homem, é a mulher".
Temer reforçando o machismo contra mulheres.

10. "As instituições funcionam com regularidade extraordinária e liberdade”.
Mais uma gafe de Temer diante de autoridades da Noruega, depois de confundir o país com a Suécia e ser confrontado com péssimos dados do Brasil.