PSDB

Como a possível candidatura Luciano Huck está rachando a direita

Author

O apresentador da TV Globo ainda não se apresenta como presidenciável oficialmente, mas já divide opiniões de eleitores e de figuras públicas da direita.

Como a possível candidatura Luciano Huck está rachando a direita

(Fotos: Divulgação/TV Globo)

Nas eleições de 1989, o apresentador de televisão e empresário Silvio Santos tentou concorrer ao cargo de presidente da República e não obteve sucesso, apesar de ter sido capa da revista Veja e ter despontado em pesquisas eleitorais. O "Homem do Baú" entrou no nanico PMB (Partido Municipalista Brasileiro). No dia 9 de novembro de 1989 sua candidatura foi cassada. Eduardo Cunha, na época filiado ao PRN, entrou com o pedido no TSE para extinguir o partido e anular a candidatura de Silvio. O congressista alegou que o PMB havia realizado apenas quatro convenções, contrariando o valor estipulado pela lei na época de nove convenções. Embora tenha mais tempo para se candidatar, uma figura pública brasileira pode enfrentar o mesmo tipo de problema.

Como a possível candidatura Luciano Huck está rachando a direita

Luciano Huck pode não admitir publicamente, mas é um presidenciável para 2018 de acordo com o noticiário que roda os bastidores. Desde abril deste ano, o Datafolha aponta Huck oscilando entre 3% e 5% das intenções de voto. No evento Festival de Cultura Empreendedora em outubro, o apresentador da TV Globo fez um discurso enaltecendo seus feitos no programa Caldeirão do Huck como se fosse um entendedor do sofrimento do povo pobre brasileiro.

Ele se diz "apolítico" e crítico do que a geração dele fez pela política. No entanto, Luciano Huck apoia os grupos APOIA e RENOVA, que são de direita e pró-livre iniciativa. Ou seja, mesmo que ele seja extremamente vago em sua proposta de mudança na política, sua proximidade com o empresariado sem nenhuma crítica ao capitalismo o posiciona, no mínimo, mais distante da esquerda institucional.

E estes não são os únicos sinais que posicionam Huck onde ele está no debate público.

Sondagens e conversas

Como a possível candidatura Luciano Huck está rachando a direita

Quatro partidos parecem querer claramente Huck entre seus quadros políticos: PSDB, DEM, PPS e NOVO. Do quarteto, o Partido NOVO parece estar conformado com João Amoêdo na disputa e não tem chances de ganhar a presidência no ano que vem. Com base pequena e poucas alianças institucionalizadas, o NOVO se conforma em apenas iniciar sua corrida atrás de grandes cargos. Se conseguirem deputados, a legenda terá alcançado seu objetivo.

O DEM descartou diálogo com João Doria Jr., queimado no escândalo da "ração humana" da prefeitura de São Paulo, em outubro. Cogitou o nome de Luciano Huck. O PSDB não fala abertamente em seu nome, mas tem preocupação com o fraco desempenho de Geraldo Alckmin nas pesquisas e com as traições de Doria.

O PPS fez um convite aberto ao apresentador Huck. Ele participou de três reuniões envolvendo nomes da legenda: na casa do economista Armínio Fraga, com o deputado federal e presidente do PPS, Roberto Freire, e o ministro da Defesa, Raul Jungmann. A ponte entre os políticos e o apresentador é o movimento AGORA, que ele ajuda nos bastidores.

Roberto Freire divulgou a notícia para a imprensa e fez alertas a Luciano Huck. Disse que ele terá que dedicar tempo para reuniões neste mês de novembro. Ao jornal Folha de S.Paulo, no mesmo mês, ele afirmou que "não é candidato a nada" e que os diálogos com partidos fazem parte do seu desejo de agir dentro da política institucional.

Nos bastidores, é dito que Huck cogitou Marina Silva para ser sua vice. A Rede não se manifestou sobre o assunto. Ele também teria se encontrado com Joaquim Barbosa, ex-juiz do Julgamento do Mensalão, para discutir eleições. Barbosa reiterou que não é candidato, mas conversou também com Marina sobre 2018.

Huck, no entanto, já encontrou obstáculos inesperados com tanta receptividade dos políticos profissionais.

Barreiras públicas e políticas

 A coluna Radar da revista Veja divulgou que a TV Globo deu um ultimato para Luciano Huck: ou ele entra na política, ou continua na emissora. A rede da família Marinho não manifestou desejo em manter o apresentador em seus quadros se ele for um presidenciável.

O cineasta Fernando Andrade, irmão de Huck, pediu "pelo amor de Deus" para que ele não seja candidato, em declaração para a Folha. Em Angra dos Reis, ele foi condenado a pagar R$ 40 mil por um crime ambiental que cometeu ao cercar uma área de reserva. Luciano Huck também teria negócios com o empresário de festas noturnas Alexandre Accioly, acusado de ser laranja do tucano Aécio.

As amizades e as divergências com políticos tradicionais se acumulam. Huck apoiou em 2014 o candidato Aécio Neves do PSDB. Ao Estadão, Aécio declarou que Luciano Huck candidato é "falência da política".  Já a ex-presidente Dilma Rousseff afirmou à Deutsche Welle que Huck faz política de "animação de auditório".

Com as barreiras postas, e uma intenção de voto que não sai de 5%, Luciano Huck parece mais um fator de pulverização na direita política. Não acrescenta nada, enquanto há analistas de mercado que já cogitam Jair Bolsonaro, segundo a Folha de S.Paulo.