ELEIÇÕES 2018

O discurso Caldeirão de Luciano Huck que parece campanha para presidente

Author

O apresentador global participou do Festival de Cultura Empreendedora. Embora a fala tenha englobado mais seu programa Caldeirão do Huck, o tom do discurso de Huck parece o de um candidato à presidência da República.

O discurso Caldeirão de Luciano Huck que parece campanha para presidente

(Fotos: Pedro Zambarda/Storia Brasil)

Ele não assume nem desmente. E não pára de falar em política. É cortejado explicitamente pelo DEM de Rodrigo Maia, que abandonou pretensões presidenciais ao lado de João Doria Jr., segundo reportagem publicada no jornal O Estado de S.Paulo neste mês de outubro. Em maio de 2017, Fernando Henrique Cardoso o citou como o "novo na política" assim como Doria, informou a Folha.

O discurso Caldeirão de Luciano Huck que parece campanha para presidente

O fato é que o apresentador da TV Globo Luciano Huck aproveitou o Festival de Cultura Empreendedora no Morumbi, em São Paulo, para falar sobre suas pretensões políticas. Com dores no joelho, Huck não respondeu perguntas de jornalistas, mas falou por mais de uma hora sobre Caldeirão do Huck, movimentos sociais e o tamanho do Estado.

O discurso Caldeirão de Luciano Huck que parece campanha para presidente

"A bandeira que eu tenho levantado, e creio que é a verdadeira, é participar do processo em andamento, eu vou participar. Vemos o derretimento da classe política agora, e não aparecem novos nomes no horizonte que acho que vão aparecer, mas eu acredito nas pessoas dentro do processo", disse na palestra. Para Luciano Huck, o "altruísmo" e as pessoas comuns precisam entrar na política pública. "Por que ninguém aqui quer convidar um deputado pra um jantar? Por que a gente não se sente representado", complementa.

Depois de falar sobre o que ele acredita ser necessário para o cenário político, Huck introduziu o que ele acredita ideologicamente sobre o papel do Estado e da iniciativa privada. "Isso só vai mudar se a minha geração ocupar o Congresso Nacional, para encher aquele lugar de gente do bem. No Legislativo é onde surgirão os novos presidentes da República. O que estou fazendo de fato é empoderando os movimentos cívicos. Minha recomendação é pesquisar sobre esses movimentos suprapartidários, que incluem movimentos de esquerda, de direita e de centro. Você pode não concordar, mas eles estão surgindo", explicou.

E quais movimentos têm dialogado com Luciano Huck? "Eu escolhi dois que gosto: o AGORA, de profissionais liberais super respeitados, mais ou menos da minha geração entre 35 e 50 anos, e o RENOVA, de fomento de candidaturas. A ideia é justamente parar de apontar o dedo e lançar nossos nomes, fazer uma curadoria nesse sentido".

Huck não defendeu explicitamente a diminuição do Estado. Para ele, ações governamentais são fundamentais ainda no nordeste brasileiro e em locais de extrema pobreza no Brasil. Defendeu cursos que fomentem o empreendedorismo e falou sobre o caso de Dona Gê, ajudada pelo Caldeirão do Huck e dona de um negócio de doces. "Eu andei por 18 anos no interior brasileiro. Sei do que estou falando. Há soluções de empreendedorismo no sudeste que não repercutem no restante do país", frisou Luciano Huck.

Depois de discursar, o global tirou selfies com fãs e saiu num carro preto rodeado por seguranças.

Um direita melhor do que João Doria

O discurso Caldeirão de Luciano Huck que parece campanha para presidente

Ele chegou até a prefeitura com o discurso "não sou político, sou gestor". Por conta disso, Doria é automaticamente associado com a direita liberal que defende o Estado mínimo. Luciano Huck não apoia abertamente nenhuma ideologia, mas falou em seu discurso apenas sobre ações sociais com os mais pobres e a inserção maior do empresariado no Congresso Nacional.

Mesmo que ele não admita, trata-se de um posicionamento claro de direita e pró-capitalismo. Não traz críticas profundas à desigualdade social no Brasil, mas apenas uma ideologia baseada no assistencialismo que ele já propaga através do programa televisivo Caldeirão do Huck. Se continuar nesse caminho e realmente quiser ser candidato ao cargo de presidente da República, Huck tem grandes chances de roubar eleitorado mais de centro-direita e de centro, sobretudo aqueles que não se identificam com Lula, PT ou partidos de esquerda mais ideológicos, como PSOL e PCdoB.

Acusação de crime ambiental em Angra

Embora pregue por mais ética na política, Luciano Huck foi condenado em 2011 a pagar R$ 40 mil por cercar uma área de reserva ambiental para criação de mariscos em Angra dos Reis. Ele foi favorecido na residência que possui no local por uma lei dada pelo então governador Sérgio Cabral, que flexibilizou a legislação do meio ambiente local

Huck também teve relações próximas com o empresário Eike Batista e com o candidato presidencial do PSDB, o senador Aécio Neves. Portanto, se ele quer se inserir na política, melhor abrir o olho com antigos aliados, hoje implicados na Operação Lava Jato. Caso queira desmentir os boatos que disputará o Planalto, tudo o que Luciano Huck precisa fazer é se afastar dos partidos tradicionais de direita, que estão carentes de um candidato forte.  

O discurso Caldeirão do Huck parece novidade, mas está repleto de velharia da política.