Por que Gilmar Mendes está certo ao defender o habeas corpus?

Por que Gilmar Mendes está certo ao defender o habeas corpus?

O ministro do STF tem um discurso que, felizmente, vai muito além do fla-flu político ou de questões eleitorais. Em suas ações públicas, Gilmar está sinalizando para abusos que ocorrem por parte do Ministério Público e de instâncias acusatórias há, pelo menos, 20 anos.

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil/Fotos Públicas

Defender o ministro do Supremo indicado por Fernando Henrique Cardoso em seu último mandato presidencial não está no cardápio de coisas que mais gosto de fazer. Mas este texto é necessário juridicamente. Em segundo lugar, eu não sou especialista em Direito (tenho formação em Jornalismo e Filosofia), mas tenho o costume de tentar ler os processos e tentar entender como o Poder Jurídico é um dos mais influentes politicamente no Brasil.

Sim, este artigo é um contraponto ao texto do jornalista Márcio Juliboni, também colunista do Storia Brasil. Vá lê-lo para ter outra opinião sobre o mesmo tema.

O ministro Gilmar Mendes publicou um artigo no jornal Folha de S.Paulo nesta quarta-feira, 17 de janeiro de 2018. Chamado 92Em defesa do habeas corpus9397Rei do Ônibus98

Vamos passo a passo.

112Dez Medidas Contra a Corrupção113em abril de 2017.

O juiz tem uma razão para criticar a medida. Ela acelerou a discussão no Supremo Tribunal Federal (STF) para agilizar prisões em julgamentos de segunda instância. Antes da decisão dos ministros de toga, pressionados pela Força-Tarefa da Lava Jato, os réus só poderiam ir presos quando os últimos recursos fossem julgados. Isso permitiria que cortes distintas julgassem crimes com a correta dosimetria, evitando prisões injustas.

A população lê a lentidão da Justiça como uma proximidade política, que existe e poupa políticos do MDB e do PSDB, e exige mudanças. Mesmo sem ler os pressupostos, apoiou as Dez Medidas sustentadas por deputados corruptos e procuradores oportunistas. A população acredita que isso permitirá o combate à corrupção e fica mais calma com mudanças na Justiça.

É justamente neste ponto que o texto de Gilmar Mendes acerta. Ele aponta, usando exemplos do presente, problemas que existem há pelo menos duas décadas.

Da ditadura à chamada Nova República

165perigo comunista166

Com o pacto entre Figueiredo e Tancredo Neves, que permitiu a ascensão de José Sarney, duas importantes conquistas jurídicas se consolidaram: a retomada de direitos políticos e o fortalecimento de instituições como o Ministério Público. O enfraquecimento dos poderes militares exigiu a criação de novas instâncias de investigações de crime.

O problema é que, na maioria dos países ao redor do mundo, a tarefa do MP é de acusação em oposição à defesa de acusados, feitas pela advocacia. Com as polícias sucateadas e as regiões tomadas pelo crime organizado, os procuradores ganharam poderes de investigação que remontam o período pré-Lula e ganharam força nos últimos anos.

Tudo isso encontra um ponto de encontro no juiz de primeira instância em Curitiba, Sérgio Moro, e em menor grau em Marcelo Bretas no Rio. Moro participou do processo de investigação do Banestado, que foi arquivado pelo governo FHC, e depois foi auxiliar no Mensalão petista. Com os escândalos da Petrobras em mãos, ele empurrou para frente uma instituição que se tornaria rotineira entre procuradores e acusadores no Brasil.

E ela foi endossada por José Eduardo Cardozo, o ministro da Justiça de Dilma: chama-se delação premiada.

Não precisa comprovar culpa, pois basta acusar

O universo político sob a Lava Jato entrou numa espiral de delações que ora mostraram indícios contumazes de crime, ora exibiram informações duvidosas. Uma das delações mais defeituosas em precisão de dados foi justamente a de Delcídio do Amaral. O ex-senador próximo de Dilma Rousseff fez sérias acusações envolvendo a ex-presidente na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, que nunca foram comprovadas.

Tais acusações, somadas à maracutaia das pedaladas fiscais, levaram o governo Dilma para a lona. E tudo foi operacionalizado pelo então presidente Eduardo Cunha que comprou pelo menos 25 deputados para provocar o impeachment.

Hoje, o MP pede 386 anos de prisão a Cunha, que já se encontra dentro do cárcere. Abundam acusações de que ele continua operando politicamente atrás das grades. Do que adianta punir, se a corrupção continua de vento em popa com Michel Temer, o aliado ainda mais corrupto do ex-deputado.

A conexão com o crime organizado

242os presídios servem como agências do crime organizado

O caso óbvio que ele se refere é a criação do PCC em São Paulo e do Comando Vermelho no Rio de Janeiro. Com alcance nacional graças ao narcotráfico, o Primeiro Comando da Capital transformou-se numa instituição controladora de presídios ao mesmo tempo que as gestões estaduais do PSDB diminuíram investimentos públicos necessários para policiais, escolas e outras instâncias necessárias para atendimento dos mais pobres.

O resultado da privatização desenfreada e do desmonte da segurança pública é a geração do crime organizado, um processo que lembra o desenvolvimento do crime no México até os dias de hoje.

Um caso semelhante ocorre na política. Enquanto José Dirceu leva mais de 30 anos de pena somando Mensalão e Petrolão (Lava Jato), o que se desdobra em outros políticos petistas, congressistas do PP, do MDB e de outras legendas ou não são presos ou são encarcerados em casa com tornozeleira mecânica.

Pega-se alguns mártires, como Eduardo Cunha, e poupam o presidente Temer.

278caso de polícia279

As penas brandas também ocorrem porque, em acordos de delação premiada, o corrupto aceita entregar o esquema em troca da diminuição de sua punição. O esquema destes acordos foi arquitetado por Sérgio Moro com o doleiro Alberto Yousseff. O contraventor não ficou nem um ano na cadeia e ele ajuda o juiz desde o Banestado.

A visão de Gilmar beneficia Lula?

Embora Gilmar Mendes nem de longe seja petista, sua defesa do Estado de Direito é sim benéfica para o petista. O ex-presidente Lula é acusado de possuir um triplex no Guarujá, enquanto faltam provas materiais de que ele é proprietário.

O indício mais próximo que gerou sua condenação em primeira instância é a delação premiada de Leo Pinheiro da OAS. O processo que poderia comprometer mais Luiz Inácio Lula da Silva é do sítio de Atibaia.

No entanto, emprestando as palavras do jornalista Reinaldo Azevedo, insuspeito de ser petista e defensor aberto de Gilmar, consequências graves ocorrem quando as leis são atropeladas.

Na luta contra a ditadura militar, os democratas defenderam o habeas corpus.

O mesmo deve ser feito para coibir, em 2017, excessos do Poder Judiciário.

Be the first to like it!

People also liked

Related stories
1.Beautiful Iceland
2.To see something in me is to fall in love with a B film
3.Macau - East Meet West
4.5. Elephants are the symbol of Thailand
5.Natchez Riverboat
6.3 tips to be a holistic writer
7.Treat What Ails You, Greenie
8.The Facts
9.I don't like cutting my toenails
10.The chateau where Picasso scribbled on the walls
500x500
500x500