FUTEBOL

Lição de moral - até - da CBF

Author

Por Roberto Lameirinhas

Lição de moral - até - da CBF

Usar falcatruas e patacoadas perpetradas por dirigentes de clubes de futebol para exemplificar a crise ética e moral do País como um todo chega a ser chover no molhado. O paralelismo não tem precisão e, menos ainda, novidade. Mas quando o grau da falcatrua chega ao ponto de expor seu autor ao passa-moleque dos probos representantes da CBF, o sinal de alerta deve ser acionado imediatamente.

 E foi o que ocorreu com o gigantesco Sport Club Internacional - campeão mundial, bi-campeão da Libertadores e tri-campeão brasileiro - na tentativa desesperada de seus cartolas para evitar a segunda divisão. A ópera-bufa colorada começou no fim do ano passado, enquanto o pesadelo do rebaixamento se convertia, jogo a jogo, em realidade inevitável. A esperança de tapetão tomou forma com a tentativa de tirar pontos do Esporte Clube Vitória, sob a alegação de irregularidade na documentação do zagueiro Victor Ramos.

 A situação, no entanto, se agravou para o Inter após a constatação de que o clube gaúcho adulterou e-mails enviados ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva como suposta comprovação de irregularidade por parte do Vitória.  Mas na quarta-feira (29\3) peritos comprovaram a falsificação dos documentos, com alterações primárias de “forma e conteúdo, subtração de palavras, textos, nomes e frases, além de inserção indevida de palavras, letras e assinaturas, modificações essas de conteúdo capazes de descaracterizar o seu sentido original”, de acordo com o site Globoesporte.com.

 Como consequência, a CBF ameaça processar o ex-presidente Vitorio Piffero e o responsável pelo Departamento Jurídico do Inter, Gustavo Juchem, por estelionato e falsificação - crimes previstos pelo Código Penal. No âmbito esportivo, o STJD pode impor ainda sanções adicionais ao clube, que podem até mesmo levá-lo à Série C.

 Além do inferno astral no campo e da confusão jurídica, já tinha pegado mal para o Inter o estranho movimento de seus jogadores que tinham defendido, antes da última rodada do campeonato brasileiro do ano passado, a pura e simples suspensão da competição sob o argumento de “falta de clima” diante da tragédia com o time da Chapecoense - o que abriria brechas para evitar ou contestar o rebaixamento.

 Difícil imaginar como os dirigentes do rival Grêmio poderiam prejudicar mais o clube do Beira-Rio.