ECONOMIA

Hunter x Farmer

Author

Uma das profissões mais inglórias do mundo é a de vendedor. Ninguém sonha em ser vendedor quando criança. E depois de crescidos quase todos temos que de uma forma ou de outra conseguir desenvolver esse tipo de habilidade tão necessário nos dias atuais. Até por não vender apenas coisas, o ser humano vende idéias. Conceitos. A si próprio em uma entrevista de emprego. Então vender deveria ser uma competência melhor desenvolvida em todas as pessoas, pelo menos o básico. Sim, o básico; requer muita força de vontade, resiliência desenvolvida, política, conhecimento técnico do que se vende, conhecimentos de personalidades e potencial de mimetizar o gestual e o mindset do comprador. Mas o assunto aqui não é esse, o assunto é o perfil hunter (caçador) que buscam para as posições comerciais ou de vendas hoje em dia.

Amigos, se você não for minimamente "hunter"você não serve para vendas. Deve ser uma das únicas profissões do mundo onde o trabalho começa depois de ouvir um não. Depois de esperar 45 minutos em recepções dos clientes e ouvir que teremos que marcar para uma próxima vez. Depois do quinto e-mail não respondido. Da décima ligação não atendida. Todo vendedor é na essência um PhD em rejeição. Um ser com estômago forte para beber pelo menos um café em cada uma das quatro reuniões / calls / brigas / desarranjos e correrias todo santo dia. Desapegado dos sapatos e suas solas gastas, um animal que fala muito e escuta mais ainda. E que não se cansa.

Mas ultimamente resolveram qualificar o tipo de vendedor. Tem os hunters (caçadores) e os farmers (fazendeiros). Uns correm atrás e os outros plantam.

E o problema aos meus olhos é esse. 

Se você aguenta mais que dois quarters (trimestres) com metas nas costas, com a pressão por resultado, com a luta diária para marcar reuniões, responder e-mails, atender os telefonemas todos que só acontecem quando o cliente precisa, chefe micro-manager querendo saber se o invite da reunião foi aceito pelo cliente, montando proposta bonita no ppt, ou apenas acertando o valor na proposta básica em xls, oi vendedor.

Não engulo esse papo. Sou um darwinista e acredito na evolução. Nos primórdios só existiam os caçadores, sem muito conhecimento prático da vida, apenas um pulsar pela sobrevivência. E depois, bom, depois vem a evolução e o ser humano se estabelece pois começa a plantar, escolher sementes, essas coisas básicas que resultaram no mundo que conhecemos.

Essas pessoas tem na cabeça a imagem do caçador com o rifle na mão e o pé sobre o corpo da caça abatida. Mas e daí? Caçou, matou, e pronto, foi uma só vez. Foi o resultado possível numa relação rasa onde um sobrepuja o outro; fim. 

Muito diferente de um fazendeiro que tem todo um entendimento de ciclos, estações, sementes, preparar, esperar, enfim, tudo o que caracteriza uma relação de longo prazo e grandes ganhos.

Mas me parece que o objetivo é exatamente este, te contratar e sugar o seu máximo (que não é sua inteligência) num curto espaço de tempo para alcançar resultados impossíveis (leva essa zarabatana e traga elefantes). 

Nos tempos atuais não se valoriza mais a construção do relacionamento, a consultoria, o perder agora para ganhar depois, as referências. 

O imediatismo tomou conta de tudo (como se um caçador não ficasse esperando horas, as vezes dias, pelo melhor momento de atirar)

Eu entendo o ambiente de negócios, a promessa de grandes crescimentos que justificam os investimentos, mas isso não é sustentável.

Então ao perceber que o objetivo é esse, de resultado rápido a qualquer custo e muito sofrimento pense duas vezes antes de aceitar a proposta. 

Pense em evoluir junto com o seu trabalho.