SYPPK
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
SYPPK
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger

SYPPK

Sobre sexo, relacionamentos, feminismo. Sobre empoderamento feminino. Baseado na página Share Your PPK do Facebook.
    • Reportar esta pasta de histórias
SYPPK
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

5 músicas brasileiras para você adicionar na sua playlist GIRL POWER

Porque você é maravilhosa <3

5 músicas brasileiras para você adicionar na sua playlist GIRL POWER
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Sabe aqueles dias que você está se vendo exatamente como é: absolutamente foda e poderosa? Ou então aqueles que você precisa justamente que alguém te lembre de como você é, bem, absolutamente foda e poderosa? Nada melhor do que recorrer a músicas feitas por mulheres para mulheres e animar sua playlist com um pouco de girl power

Aliás, falando em playlist, fiz uma só com músicas empoderadoras: 

Mas confesso que essas cinco músicas (todas brasileiras!) merecem um destaque:

1. Pagu, Rita Lee

"Eu sou pau pra toda obra
Deus dá asas à minha cobra
Hum! Hum! Hum! Hum!
Minha força não é bruta
Não sou freira, nem sou puta"

2. Mulheres Negras, Yzalú 

"Enquanto mulheres convencionais lutam contra o machismo,
As negras duelam pra vencer o machismo,
O preconceito, o racismo"

3. Me garanto, Karol Conká

"Se quer medir forças sei que me garanto,
Sem conversa frouxa, sem olhar de canto,
Fecha a boca, ouça, eu não tô brincando,
Sua estratégia fraca já vo chega te derrubando"

4. Desconstruindo Amélia, Pitty

"Disfarça e segue em frente
Todo dia, até cansar
E eis que de repente ela resolve então mudar
Vira a mesa,
Assume o jogo
Faz questão de se cuidar
Nem serva, nem objeto
já não quer ser o outro
hoje ela é um também"

5. Tá pra nascer homem que vai mandar em mim, Valesca Popozuda

"Vou te provar que eu não sou do tipo de mulher
Que você paga uma bebida e eu dou o que tu quer
Enfia teu malote no saco e lambe o cheque
Tenho nojo de moleque"

#playlist #funk #feminista #syppk

Tá liberado criticar o feminismo da Emma Watson, mas não os peitos dela

Pleno 2017 e a galera achando absurdo ela fazer fotografias (bem mais ou menos) sensuais

Tá liberado criticar o feminismo da Emma Watson, mas não os peitos dela
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Uma das polêmicas da semana da mulher foi essa foto da Emma Watson. A atriz, feminista, foi acusada de hipocrisia dentro do próprio movimento feminista. 

Chegaram a falar coisas que nós estamos acostumadas a ouvir de homens, como "quer ser levada a sério, mas fica mostrando os peitos". Não parece coisa que seu pai machista falava quando você queria sair com uma roupa mais curta ou mais decotada? 

As críticas todas eram bem absurdas e Emma respondeu todas elas dizendo que "feminismo é dar uma escolha para as mulheres. Feminismo não é um pedaço de pau para bater em outras mulheres. Diz respeito à liberdade, diz respeito à liberação, à igualdade. Eu realmente não sei o que minhas tetas têm a ver com isso. É muito confuso". 

E ela tem total razão. A mulher tomar posse da sua sexualidade, se assumir como feminista e feminina ou feminista e dona de um corpo de mulher sem sofrer repressões machistas faz parte do movimento. 

Apesar disso, defender o direito de Emma Watson de tirar e divulgar as fotos que ela quiser não elimina a necessidade de se fazer uma crítica das colocações dela. Não dela, mas do discurso, que fique bem claro.

Tá liberado criticar o feminismo da Emma Watson, mas não os peitos dela

Por exemplo, dizer que o feminismo tem a ver com escolhas, com liberdades individuais e com a possibilidade das mulheres se vestirem como bem entenderem é um pouco simplista e reducionista demais. Esse tipo de feminismo é conhecido como "feminismo liberal": basicamente reduzir todo o movimento a 'meu corpo minhas regras'. 

Apesar do tal "feminismo liberal" ser uma excelente porta de entrada para o feminismo (que mulher nunca se sentiu julgada pelo modo como se veste? Ou sentiu na pele as pressões estéticas da sociedade?), ele não pode parar por aí. É preciso que se façam recortes no movimento: de classe, de cor, de orientação sexual, é preciso incluir as manas negras, lésbicas, gordas, trans. 

Se não o feminismo vira a turma da Taylor Swift: todas brancas, padrão, cantando sobre como elas são julgadas por seus relacionamentos amorosos. 

Tá liberado criticar o feminismo da Emma Watson, mas não os peitos dela

E feminismo é muito mais do que isso. 

A história do feminismo não ser um pedaço de pau também entra nisso. Claro que não é válido linchar uma pessoa ou culpá-la por opressões sociais. Uma mulher branca que usa turbante, por exemplo, não é responsável pelo racismo. MAS é preciso, sim, educação e desconstrução. A mulher branca que usa turbante precisa estar aberta para ouvir a mulher negra, precisa começar a reconhecer seus privilégios como branca e, bem, precisa abrir mão do turbante. 

É disso que sinto falta no feminismo de Emma Watson. Até agora, em seus discursos, vejo a atriz defendendo muito mais um feminismo individual ("eu quer posar desse jeito", "eu quero me vestir de outro jeito") e até mesmo um feminismo a favor dos homens (????) do que entrando em questões sociais e raciais e trazendo para o debate mulheres diferentes. 

Gosto muito da Emma Watson, acho que ela traz muitas garotas novinhas e até mais velhas para o movimento, acho que a própria figura dela desmistifica alguns estereótipos do que é uma feminista. Não vejo a hora de ela abraçar um significado muito maior do que é o movimento.

#feminismo #diadamulher #emmawatson

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
aprevidelli
Jornalista