ESPORTES

5 comerciais que vão dar o que falar depois do Super Bowl

Autor

O Super Bowl é o evento esportivo de um dia com a maior audiência de TV no planeta. Não por acaso, é o dia em que muitas das gigantes de vários setores decidem lançar suas campanhas publicitárias mais importantes. Tudo em comerciais de TV caríssimos. 

5 comerciais que vão dar o que falar depois do Super Bowl

Em 2017, um anúncio de 30 segundos custa, em média, US$ 5 milhões. Deu pra entender a importância do negócio, né? Alguns dos comerciais deste ano já foram parar no YouTube antes do jogão - e alguns deles levantam assuntos delicados, como a questão da imigração nos EUA. Que tal analisar alguns deles?

1. Budweiser

A Budweiser nega que tenha intenção de bater de frente com a política nacionalista do recém-eleito presidente americano, Donald Trump, mas seu anúncio no Super Bowl conta a história de como a cerveja nasceu - com a jornada o imigrante alemão Adolphus Busch, que deixou a Alemanha em 1857 para fazer cerveja em St. Louis, nos EUA.

2. 84 Lumber

A empresa de materiais de construção 84 Lumber investiu pesado. Pagou US$ 15 milhões por um anúncio de 90 segundos. A ideia é atrair novos funcionários. Só que a primeira versão do comercial foi rejeitada pela Fox (canal que transmite o Super Bowl) por ser “muito política”. Não que a versão final seja light. Afinal, ela mostra uma mexicana e sua filha em busca de emprego.

O anúncio termina pedindo que os espectadores vejam o fim da história em seu site, durante intervalo do Super Bowl. O site, por sua vez, lembra que o conteúdo foi considerado muito controverso para a TV.

3. Bud Light

A Bud Light terá um anúncio de 60 segundos com a participação do fantasma de seu polêmico mascote, Spuds MacKenzie. Spuds, um bull terrier, ficou famoso na década de 1980, quando apareceu pela primeira vez no Super Bowl de 1987. O problema é que um senador republicano acusou a Bud Light de usar Spuds para glamourizar a bebida alcoólica. A empresa aposentou Spuds em 1989, mas o cãozinho virou um ícone.

4. Wendy’s

A rede de restaurantes de fast food anuncia pela primeira vez num Super Bowl e já chega alfinetando a concorrência. O objetivo do comercial é mostrar que a rede não serve hambúrgueres congelados.

5. GNC

A gigante do setor de vitaminas queria um comercial no primeiro quarto do Super Bowl, mas seu anúncio foi vetado pela NFL porque alguns dos produtos possuem substâncias proibidas pela liga. A empresa, então, lançou uma série de três teasers online chamados “Coragem Para Mudar”.