YOUTUBE

Esse YouTuber enfureceu os bombeiros ao cimentar sua cabeça no microondas

Autor

“Na guerra e no amor, vale tudo”. Em tempos modernos, alguém deveria adicionar ao velho ditado algo do tipo “e na busca por likes nas redes sociais” porque olha… Tem gente que passa do limite. Foi o caso desse YouTuber que ficou uma hora tendo sua cabeça retirada de um microondas por quatro bombeiros.

Esse YouTuber enfureceu os bombeiros ao cimentar sua cabeça no microondas

Isso porque um rapaz que tem três milhões de assinantes no YouTube e usa como pseudônimo TFGbro achou que seria divertido prender a cabeça num microondas. Para isso, ele enfiou o conteúdo de sete sacos de massa corrida no forninho e, com a SUPER PROTEÇÃO DE UM SACO PLÁSTICO, mergulhou a cabeça no negócio.

O inevitável aconteceu: o mané ficou com a cabeça entalada no microondas. Ele e uns amigos passaram uma hora e meia tentando desfazer a coisa até que desistiram e chamaram os bombeiros. Então, quatro bombeiros passaram mais uma hora tentando até que conseguiram desmontar o microondas e desentalar o jovem de 22 anos. O relato, claro, está no canal dele no YouTube:

Obviamente, quem não ficou nada feliz com a história foi o Departamento de Bombeiros da região de West Midlands, na Inglaterra. Em um post no Twitter, deram o seguinte recado: “estamos seriamente nada impressionados [nota da redação: “nada impressionados” é uma maneira educada/britânica de dizer “PUTO DA VIDA”]. Quatro de nossos bombeiros ficaram ocupados durante uma hora nesta tarde libertando um YouTuber cuja cabeça estava ‘cimentada’ dentro de um forno de microondas. Leiam mais… “

E não parou por aí. O departamento também produziu um vídeo onde o comandante Simon Woodward relata o que aconteceu dando uma enorme lição de moral: “Enquanto nossa equipe estava nessa tarefa, não conseguiu comparecer a outras emergências. Nos orgulhamos de nosso padrão de chegar em ocorrências em até 5 minutos. Isso quer dizer que se vamos a uma ocorrência onde há uma vida em risco, chegamos lá quando há uma chance maior de salvar essa vida.”

“Se formos a ocorrências onde há vídeos do YouTube”, continuou o comandante, “ou pessoas que foram irresponsáveis, nossas equipes não conseguirão chegar às ocorrências onde há vidas em risco. O custo desse trabalho seria de 650 libras, mas não vamos cobrar porque sua vida estava em perigo. O que quero é lembrar a todos que não coloquem suas vidas em risco apenas pelo entretenimento dos outros. Obrigado.”