GAMES

Jornalistas, escritores e produtores se unem contra Lindsay Lohan em processo

Alexandre Ribeiro
Autor
Alexandre Ribeiro

A briga judicial começou em 2014, quando Lindsay Lohan foi à Justiça americana e abriu um processo contra a Take-Two Interactive, promotora do game GTA V. A atriz afirmava que a Rockstar, produtora do game, usou características suas para criar a personagem Lacey Jonas. A disputa ainda não acabou, e agora associações de jornalistas, escritores e artistas se juntaram contra a atriz.

Jornalistas, escritores e produtores se unem contra Lindsay Lohan em processo

Em 2016, a Suprema Corte de Nova York deu sua sentença a favor da Take Two, mas Lohan não se deu por vencida. A atriz e seus advogados foram à Corte de Apelações e continuaram argumentando que a personagem era baseada em sua imagem e personalidade e que o uso sem autorização da atriz era uma violação de direitos.

O dilema é complexo e vai muito além do problema específico de Lohan, e é por isso que associações e grupos de mídia assinaram recentemente um documento conjunto afirmando que dar razão à atriz seria uma violação da primeira emenda da Constituição americana - aquela que garante a liberdade de expressão.

O argumento do grupo é que todo e qualquer personagem fictício é baseado em características de pessoas reais e que não se pode permitir que qualquer pessoa que veja uma característica sua em um personagem possa processar e ganhar dinheiro com isso. No fim das contas, isso causaria uma espécie de censura criativa.

“Lohan e Gravano (a atriz de reality show Karen Gravano tem um processo parecido também na Corte de Apelações) estão pedindo à Corte uma nova redação para o estatuto do direito de publicidade de Nova York, que violaria os direitos de promotores, autores e artistas que estão garantidos pela primeira emenda”, disse David Horowitz, diretor-executivo da Media Coalition.