CELEBRIDADES

Paolla Oliveira acusada de apropriação cultural — Viviane Araújo pode?

Autor
Paolla Oliveira acusada de apropriação cultural — Viviane Araújo pode?

Paolla Oliveira no instagram

Paolla Oliveira causa ao usar fantasia de índia.
Depois de postar uma foto no instagram vestida de índigena norte-americana, Paolla Oliveira foi atacada por diversos internautas. Eles acusam a atriz de apropriação cultural, um termo que começou a ser amplamente discutido recentemente.

De acordo com sociólogos, a apropriação cultural acontece quando a parcela mais privilegiada da população utilizam elementos da cultura de povos marginalizados — como brancos de dread e homens vestidos de mulher. E foi justamente o que aconteceu com Paolla. Por mais que alguns fãs da atriz tentem a defender dizendo que ela estava prestando uma homenagem, fica difícil defender a artista.

Primeiramente, se ela quer tanto homenagear povos que são invisibilizados diariamente, por que deixar para fazer isso somente no carnaval? E se fosse homenagem, ela se preocuparia um pouco mais em estudar o povo a ser homenageado, como Viviane Araújo fez. Paolla utilizou trajes característicos de tribos indígenas norte-americanas, isso foi para homenagear índios brasileiros? Não faz sentido algum.

Paolla Oliveira acusada de apropriação cultural — Viviane Araújo pode?

Podendo escolher a etnia fica fácil, né, Anitta?

Katú Mirim, uma ativista indígena havia falado o seguinte antes da postagem de Paolla:

"Usar fantasia de índio é racismo porque discrimina nossa raça, reforça estereótipos, a hipersexualização da mulher indígena. O movimento indígena sempre sofreu com a invisibilização. Nós não somos uma fantasia. Pessoas não são fantasia, nossa cultura não é fantasia. Ela existe, nós existimos".

O problema da apropriação cultural pode não ser tão óbvio para quem não está do lado das parcelas marginalizadas da população. Por exemplo, uma pessoa branca de dread dizendo que é rastafari só porque é moda ser "good vibes" é totalmente humilhante para um negro que sempre usou dreads e foi visto pela maior parte das pessoas como "sujo", "fedido" e coisas do tipo.
Para resumir: Se é branco é bonito e tá seguindo a moda, se é negro, é sujo, bandido e fedido.

Esse é o grande problema da apropriação cultural, falando de modo simples. É claro que estudando a fundo percebemos que o buraco é muuuuito mais embaixo.
Desde criança eu ouvi falar que negros com cabelo loiro são feios, que não tem nada a ver e tudo mais. Então por que o inverso não é visto da mesma forma?

Paolla Oliveira acusada de apropriação cultural — Viviane Araújo pode?

Viviane Araújo vestida de indígena.

É difícil falar de racismo no Brasil, um país onde as pessoas negam que tal problema existe. Mesmo tendo tido escravização e subordinação dos povos negros africanos por mais de 300 anos. É muito difícil para pessoas brancas assumirem que têm racismo, embora alguns aceitem que há racismo no Brasil. Da mesma forma que é difícil para homens aceitarem que são privilegiados e que o machismo é algo real.
Se eu perguntar para um Senador ou para um grande empresário brasileiro se há desigualdade e hiperconcentração de renda no país, certamente ele vai negar.
Isso é óbvio, afinal o opressor não tem interesse nenhum em dar liberdade e poder para o oprimido. Não precisa nem queimar muitos neurônios para pensar nisso.

É muito fácil para uma branca, que nunca teve que passar por situações humilhantes por ter "cabelo ruim" fazer uns dreads ou tranças. Isabella Santoni, por exemplo, nunca deve ter ouvido alguém falar "vai alisar esse seu cabelo ruim". Por isso para ela é fácil fazer umas tranças e "assumir sua negritude"

Paolla Oliveira acusada de apropriação cultural — Viviane Araújo pode?

Em comentários no instagram de Anitta na época em que ela também fez tranças, fica evidente o problema da apropriação cultural: é legal brincar de ser negro, desde que você não seja um de verdade — disse uma seguidora.

Eu lembro quando eu era criança que meus amigos diziam que eu tinha que raspar meu cabelo para ver se ele começaria a nascer "bom". Meu cabelo nunca foi ruim, mas eu achava que era, de tanto ouvir as pessoas falando isso. Daí do nada as pessoas começam a mudar a aparência para paracer "do gueto" por que o rap e o funk ficou na moda.

A apropriação cultural é um problema real que vai dar o que falar por muito tempo. Enquanto existirem pessoas que conseguiram fazer sucesso sendo brancas e querendo brincar de ser negras ou indígenas vai ter alguém se sentindo mal.

Paolla Oliveira acusada de apropriação cultural — Viviane Araújo pode?

Anitta no instagram

Outro problema das fantasias de carnaval são os homens se vestindo de mulheres. Não teria muito problema se não fossem os mesmo homens que pregam ódio contra gays e travestis. Ou seja, durante todo o ano, marginalizam e oprimem as travestis, dizem que machismo não existe enquanto exploram e assediam mulheres, daí no carnaval decidem se vestir de mulher?
Por favor, não passem esta vergonha.

Racismo inverso

O pior de tudo é ler comentários de gente dizendo que temos preconceito contra brancos. É tão feio ler isso quanto ler coisas como "heterofobia", "cristofobia". É a parcela privilegiada da população se vitimizando. E não sou eu que estou inventando que homens, brancos e cristãos são privilegiados por estarem enquadrados em um padrão visto como "normal". É possível ver isso até pela diferença de salário entre homem/ mulher, negro de pele preta/ branco. Praticantes de religiões afro também sofrem preconceito e marginalização, são enquadrados todos como "macumbeiros".

O ideal seria não termos padrões, mas se eles existem e delimitam as oportunidades dos marginalizados, temos que evitar mais formas de opressão.

Paolla Oliveira acusada de apropriação cultural — Viviane Araújo pode?

Brancos nunca foram oprimidos como os negros e indígenas.

O texto da jornalista Ana Carolina Moraes não pode ser esquecido:

"A escravidão puniu e privou as pessoas negras de manifestarem a sua cultura neste solo. A capoeira foi criminalizada. As religiões de matrizes africanas, como o Candomblé, foram e são perseguidas. Mulheres negras tiveram o cabelo arrancado por usar tranças, foram proibidas de usar turbante e eram feridas pelas mulheres brancas por serem 'bonitas' e 'atraírem' a atenção (sexual) dos senhores de engenho"

Para se defender, Viviane Araújo, que é rainha de bateria da Mancha Verde, também se fantasiou de índia. A justificativa dela é a seguinte: "Minha fantasia tem todo contexto, represento o Cacique. É uma linda homenagem".

Paolla Oliveira acusada de apropriação cultural — Viviane Araújo pode?

Viviane Araújo, que já esteve envolvida em outros casos de apropriação cultural.

Mas será que é uma homenagem mesmo? Ou apenas uma tentativa de ganhar o desfile e chamar atenção?
Outro integrante da bateria falou o seguinte para tentar defender Viviane:

"Tem tudo a ver com o enredo, que tem a ver com o Cacique de Ramos, de onde veio o Fundo de Quintal. Se quiserem acusar a gente de apropriação cultural, vão ter que estudar a história do Fundo de Quintal antes"

Para mim, isso é muito suspeito, já que a campanha #ÍndioNãoéFantasia está sendo amplamente difundida.
Em um país onde os índigenas perdem cada vez mais direitos acho que tais "homenagens" são, no mínimo, rídiculas.

Em vez de se preocupar em vestir roupa de índio no carnaval que tal ir lutar pelos direitos das tribos que estão sendo cada vez mais massacradas por latifundiários? Que tal se fantasiar de Jair Bolsonaro com um nariz de palhaço? Ainda mais depois que o deputado federal ofendeu quilombolas e disse que índigenas não terão um centímetro de terra no caso de ele ser eleito. Essa sim seria uma boa fantasia.