NOTÍCIAS

Um brinde à “barriguinha de chope” da Samara Felippo

Bapho Cabeça
Yazar
Bapho Cabeça
Um brinde à “barriguinha de chope” da Samara Felippo

A atriz Samara Felippo está novamente de parabéns. Está mostrando, de um jeito bonito e natural, que é uma pessoa desconstruída. Depois de se destacar em defesa dos cabelos cacheados e das mulheres negras (ela tem duas filhinhas) e apoiar o ativismo feminino, ela postou em sua conta no Instagram uma foto em que ressalta sua “barriguinha de chope”.

Tá, é claro que não é uma “senhora” barriga de chope, tão comum em homens e que muitas vezes é um problema de saúde, mas não é a barriguinha que a maioria das pessoas imagina que uma mulher famosa tenha. Ela mostrar que é gente como a gente é importante para as pessoas entenderem que aquelas celebridades, na maioria das vezes, só se parecem com bonecas de porcelana porque estão sob o efeito de muita maquiagem e tem as imagens tratadas no Photoshop.

E, de certa forma, a barriguinha da Samara é ainda mais importante que a celulite da Anitta. Porque se a cantora é jovem e tem fãs também mais novos, Samara é mãe de duas crianças e tem 39 anos. Uma mulher na sua idade cansou de ouvir (e os homens insistem em falar) sobre a padronização do corpo perfeito. E por isso, junto com a foto, a atriz fez um importante desabafo:

Venho acompanhando com orgulho muitos movimentos femininos/feministas em prol da libertação da mulher.

Um deles é a cultura do corpo perfeito.

Comecei na TV aos 18 anos, a vida TODA lutei contra a balança, tomei remédios, tive efeito “sanfona”, fiz todas as dietas, entrei e saí de academia, sofria quando minha imagem na TV parecia “fora do padrão”, quando um diretor me pedia para emagrecer sem qualquer propósito, apenas para ficar “melhor” no vídeo. Sofri quando aos 15 anos fui rejeitada de uma agência de modelos por ter o quadril “largo demais”. E olha que eu nunca fui gorda, mas já me achei “enorme” diversas vezes e sofria com isso. Fiz lipo em lugares do meu corpo que “odiava” ( aos 26 anos).Hoje olho pra trás e não me culpo, não me julgo. Fui apenas vítima das capas de revistas, da pressão da mídia, da obrigação de estar sempre “linda”, leia- a magra! 

E é disso que estamos falando. As pessoas tem que se amar como são. E as celebridades tem um papel importante em encampar essas lutas para mostrar que corpo perfeito é o corpo que você se sente bem. Não o que os outros acham que tem que ter.

Samara ainda reclamou do “fardo” que as mulheres crescem achando que tem “agradar” o homem. E o engraçado é que muitos homens até gostam de “ostentar” suas gorduras na cintura, como se fossem (olha o machismo sempre à espreita) sinal de masculinidade. Ou seja, na mente dos caras, o homem pode ter pelos, barriga, estar suado, coçar as partes baixas em público, mas a mulher tem que estar linda e artificial, como personagens de games.

Um brinde à “barriguinha de chope” da Samara Felippo

Não é só uma barriguinha saliente

Samara termina seu post convidando às mulheres a postarem fotos de suas inspiradoras pancinhas. É uma chamada à ação, call to action, na linguagem dos marketeiros. Não é só uma foto à toa.

Aliás, ela já mostrou que é uma pessoa de atitude. Já postou outras fotos da beleza da mulher madura, de biquíni, lingerie e até mesmo nua no Instagram.

Tem várias postagens sobre o protagonismo feminino, sobre a importância dos movimentos sociais, contra a proposta de redução da maioridade penal e sobre a negritude.

Depois de um desabafo nas redes sociais sobre a invisibilidade da mulher negra e a falta de representatividade de personagens no cinema, TV e nos brinquedos, ela decidiu que não iria mais comprar bonecas Barbie para suas filhas, que tem ascendência negra.

Mas esta foi apenas uma parte do processo. Ela lançou um canal no Youtube, junto com as filhas, chamado “Muito além dos cachos”, em que toda semana aborda um tema sobre empoderamento infantil e representatividade. Em pouco mais de dois meses já tem mais de 40 mil inscritos.

Nós precisamos de mais mulheres como Anitta e como a Samara Felippo que lutem pelo protagonismo feminino, pelos direitos humanos, pela diversidade sexual, étnica e religiosa. Que lutem pela liberdade de sermos o que somos sem que ninguém venha impor seus padrões.

E você, também vai ajudar a derrubar os padrões?