TV

'Dear White People' é a melhor série que você ainda não viu

BingeWatchMe
Author
BingeWatchMe

Veja.

'Dear White People' é a melhor série que você ainda não viu

O que dizer de uma série que tem 100% de aprovação dos críticos no Rotten Tomatoes? Que você está perdendo tempo por não tê-la visto ainda. 'Dear White People' é engraçada, comovente, inteligente e esclarecedora. E, sim, é sobre racismo.

Em 10 episódios curtos, narrados por Giancarlo "Gus Fring" Esposito, acompanhamos a explosão de um conflito já existente entre negros e brancos em uma universidade norte-americana, por conta de uma festa blackface (quando brancos pintam a cara de marrom e se 'fantasiam' de negros).

A protagonista Sam (Logan Browning) é uma ativista que tem um programa na rádio universitária chamado 'Cara Gente Branca', no qual ela fala algumas verdades sobre o que é ser negro na universidade e responde ligações de pessoas que acham que "o mundo está muito chato".

Lionel (DeRon Horton) é um tímido jornalista que vai se descobrindo ao longo dos episódios, Troy (Brandon P. Bell) é o filho do reitor que tenta ser um conciliador entre negros e brancos, Coco (Antoinette Robertson) é uma patricinha que aprendeu a se odiar por causa dos padrões de belezas brancos e Reggie (Marque Richardson) é um ativista apaixonado por Sam.

Porém, Sam está namorando um branco, o que causa uma grande polêmica entre seus amigos e colegas de militância. Gabe (John Patrick Amedori) é um retrato perfeito do hétero branco de esquerda, que tenta a todo custo se enturmar com a comunidade negra, mas aprende da maneira mais dura a magnitude do seu privilégio.

Um episódio em particular, dirigido por Barry Jenkins (do oscarizado "Moonlight"), demonstra de forma extremamente clara a diferença da relação da polícia com brancos e negros. Não é à toa que este capítulo foi definido pelo portal Mic como o melhor da TV em 2017 até o momento.

Se você é uma pessoa que vê vitimismo em tudo, provavelmente não vai assistir. Mas 'Dear White People' não é para você. É para negros se sentirem ouvidos e representados e para brancos de esquerda tentarem ver como é a vida por outra perspectiva. Você não vai se arrepender de gastar seu tempo de binge-watch com esta adaptação do filme de Justin Simien.