ENTRETENIMENTO

A 'cegueira' na votação do BBB: só vence quem tem fã-clube?

Daniel Akstein
Author
Daniel Akstein

O fanatismo cega. Foi praticamente com essa frase que Tiago Leifert anunciou o resultado do último paredão (4/4) do Big Brother Brasil, em que Ilmar foi eliminado com 55,92%. Foi quase uma decepção para o apresentador, que assim como muitos (e também a direção do programa) queria a saída de Marcos, o médico que vem desafiando e causando mal-estar na casa.

Pelos números, podemos pensar que a maioria votou pela permanência de Marcos. Não necessariamente, já que uma mesma pessoa pode votar milhares de vezes. E foi exatamente isso que aconteceu - e o que vem acontecendo com bastante frequência nos últimos dois anos: são os fã-clubes que decidem o resultado final. Para ser ter uma ideia da dimensão da coisa, este foi o terceiro paredão com mais votos na história do BBB, com quase 113 milhões.

A 'cegueira' na votação do BBB: só vence quem tem fã-clube?

Neste caso, podemos dizer que o fã-clube da Emilly, a namoradinha de Marcos, foi decisivo na votação. Vamos lembrar que dias antes Ilmar havia chamado a garota de verme, o que só aumentou a fúria dos fãs da jovem.

O discurso de Leifert neste paredão não poderia ser mais elucidativo. Foi uma aula de moral. "Esse paredão não é sobre polarização. Não é uma luta do bem contra o mal. Quem vencer não é o paladino da justiça, quem perder não é o demônio. Pode até ser pra algumas pessoas, mas elas são fanáticas e estão hipnotizadas", afirmou. 

E ele continuou: "Polarização é um problema muito grave. Porque nunca está certa, ela é cega. Um lado só enxerga as qualidades, o outro lado só enxerga os defeitos. Pra um lado a pessoa é Deus, pro outro lado ela é o demônio. E não há nada que faça eles mudarem de opinião".

Mas ele não parou por aí, com uma crítica àqueles que votam e não conseguem enxergar a verdade. "Tudo que você mostra que pode questionar o que aquela pessoa acredita, ela imediatamente descarta, ela imediatamente interpreta do jeito dela, que é errado, porque ela tá totalmente hipnotizada, porque ela está fanática."

Leifert, como a maioria de nós telespectadores, sabe que nestas 17 edições algumas coisas mudaram. Os participantes também mudaram um pouco. Sabem que ter um fã-clube é fundamental para ganhar o jogo - não adianta ser bonzinho ou fazer direito as coisas, é preciso cativar um grupo específico.

A dupla Clara e Vanessa fizeram isso em 2015 - Vanessa ganhou. No ano passado, o fã-clube era da Ana Paula, que com sua eliminação transferiu os votos para a vencedora Munik. Desta vez, foi Emilly quem ganhou esses 'cegos, hipnotizados e fanáticos' fãs, usando as palavras de Leifert.

E, aí, não importa o que cada um faz dentro da casa, as cartas já estão marcadas. Um bom exemplo são os mutirões de votação:

A 'cegueira' na votação do BBB: só vence quem tem fã-clube?

O perfil acima, no Twitter, tem mais de 16 mil seguidores. E isso sempre acontece, para qualquer um que tem fã-clube. Mas sabemos que os fãs da Emilly são mais ferrenhos que os outros. E aí, meu filho, não há edição, comportamento ou boa participação que façam alguém superar isso.

Em tempo: ainda acho que a Vivian é a única que pode tirar esse título da Emilly. Fico na torcida.

#bbb #tv #globo #leifert