GENTE

Essa americana deu a melhor resposta contra os preconceitos da sua chefe

Daniel Akstein
Author
Daniel Akstein

A americana June Rivas é uma dessas mulheres que sentiram o preconceito e o assédio moral na pele, vindos da própria chefe. Como ela mesmo escreveu no Facebook, sua chefe não aprovava nada do que ela fazia no cabelo: "Cabelo atado com rabo de cavalo? 'Pouco profissional'. Cabelo em tranças? 'Pouco profissional'. Cabelo com um lenço? 'Pouco profissional.'"

June diz que não existia uma regra de como se vestir no emprego, a não ser que os funcionários deveriam ir de forma limpa e arrumada. E ela ia assim mesmo:

Essa americana deu a melhor resposta contra os preconceitos da sua chefe

De tanto sua chefe implicar com os penteados (olha o absurdo!), um código de vestimenta foi criado no escritório. "Nada de rabo de cavalo, de lenços na cabeça, de blusas de alcinha, sandálias, decotes, costas de fora, e nem mesmo ‘adornos de cabeça culturais’”, escreveu June.

Acontece que o tiro saiu pela culatra. E June, que é cosplay, resolveu usar suas fantasias no trabalho. Afinal, comentou ela, nenhuma dessas roupas iriam contra as novas regras de vestimenta. E a cada dia ela começou a trabalhar de um jeito diferente:

Essa americana deu a melhor resposta contra os preconceitos da sua chefe
Essa americana deu a melhor resposta contra os preconceitos da sua chefe
Essa americana deu a melhor resposta contra os preconceitos da sua chefe
Essa americana deu a melhor resposta contra os preconceitos da sua chefe

Além da resposta bem-humorada dentro do ambiente de trabalho, June também denunciou sua chefe ao Equal Opportunities Employment Commission (Comissão pra Igualdade de Oportunidades de Emprego). E suas publicações no Facebook rodaram o mundo.

#justica #igualdade #trabalho #cosplay