FUTEBOL

Encontrar um camisa 9 se tornou a grande dor de cabeça do Corinthians em 2018

Autor

Jô saiu para ajudar nas finanças do Corinthians. O centroavante que vestia a 7 foi vendido por R$ 43 milhões para o Japão. Com os cofres cheios, o campeão brasileiro imaginava achar um substituto de seu goleador antes mesmo das festas de fim de ano. Os estaduais já vão começar e a dor de cabeça pela busca de um novo camisa 9 só aumenta no Timão.

Foram várias investidas e nada de concreto. A ponto de o técnico Fábio Carille já falar em dar sequência para o contestado Kazim e mesmo "ressuscitar" Lucca, até então a grande moeda de trocas na busca por reforços.

A diretoria corintiana continua analisando o mercado atrás de um camisa 9 experiente é que chegue ao Corinthians sem sentir o peso da camisa. Mas...

Henrique Dourado estava acertado com o clube, mas a posição do Fluminense de não querer abrir mão do jogador e depois o aumento na pedida financeira deixaram o presidente Roberto de Andrade tão irritado que ele colocou ponto final no negócio. O jogador disse que não queria mais ficar no Rio e o Fluminense admitiu negociá-lo com o Alvinegro, mas o assunto parece encerrado nos paulistas.

Foi assim também com Tréllez, do Vitória. Corinthians e jogador se acertaram, porém os baianos exageraram na pedida financeira e o negócio foi pelo ralo.

Vágner Love esteve na pauta. Acontece que o Flamengo ofereceu um salário exorbitante e assustou. O clube também conversou com Roger, do Botafogo, e que acabou no Internacional. No caso de Gilberto, ex-São Paulo, a reprovação da torcida está pesando. Kazim enfrenta a Ponte Preta na estreia oficial do ano e faz lobby por sequência. Carille dá apoio, mas não abre mão de um novo camisa 9. Quem você sugere, corintiano?

Encontrar um camisa 9 se tornou a grande dor de cabeça do Corinthians em 2018