FUTEBOL

"Pedra no sapato" dá ducha de água fria em planos de Libertadores do Tricolor

Fábio Hecico
Yazar
Fábio Hecico

O São Paulo ainda não atingiu a pontuação para gritar a liberdade do rebaixamento no Brasileirão, mas há algum tempo que a missão em terras tricolores é outra: buscar vaga na Libertadores. O clube, contudo, recebeu uma duche de água fria em seus planos ao tropeçar em sua eterna pedra no sapato.

Jamais na história do Brasileirão o São Paulo ganhou da Chapecoense como mandante. Sim, a equipe de Chapecó adora aprontar para cima do Tricolor jogando na capital paulista. E manteve a escrita para desespero dos torcedores que já cantavam em alto e bom som que o "campeão voltou".

O inesperado empate por 2 a 2 jogou o São Paulo para a segunda parte da tabela. Com 44 pontos, despencou para o 11° posto e deve se contentar apenas na manutenção na elite - faltam três pontos.

Desde a chegada da Chape à elite 3m 2014, esse foi o quarto embate em solo tricolor. E nenhuma vitória. Derrota por 1 a 0 no ano de estreia e empates seguidos por 0 a 0 em 2015 e 2 a 2 em 2016 e agora. O tropeço nessa gigante pedra verde fez os são-paulinos voltarem à realidade num ano (mais um) para ser esquecido nos lados do Morumbi.

"Pedra no sapato" dá ducha de água fria em planos de Libertadores do Tricolor
"Pedra no sapato" dá ducha de água fria em planos de Libertadores do Tricolor
"Pedra no sapato" dá ducha de água fria em planos de Libertadores do Tricolor
"Pedra no sapato" dá ducha de água fria em planos de Libertadores do Tricolor

Fotos: Agif