FUTEBOL

Santa Cruz foi ao fundo do poço, sofreu para sair, não aprendeu, e revive drama

Autor

Dizem que aprendemos com os erros, que os tombos servem para darmos a volta por cima na vida. O ditado serve também para times de futebol, mas nem todos parecem segui-los à risca. Que o diga o Santa Cruz. Depois de três rebaixamentos seguidos, o clube pernbucano saiu do buraco em 2015, mas parece não ter aprendido e agora revive o drama.

Santa Cruz foi ao fundo do poço, sofreu para sair, não aprendeu, e revive drama

Em 2008, o Santinha, time mais popular do Recife e um dos mais queridos do Nordeste, amargou o maior vexame de sua história ao sofrer o terceiro rebaixamento seguido. Saiu da elite em 2006 para a Série D em 2009.

Passou algumas temporadas no fundo do poço, só saiu da Série D em 2011, e demorou 10 anos para retornar à elite. Quase fechou as portas por causa das dívidas, teve energia elétrica e a água cortadas e limitou a jornada de trabalho dos funcionários a meio período para não precisar fornecer alimentação. Salários atrasaram por oito meses.

Em 2015 veio o acesso à Primeira Divisão e promessa de dias melhores. Títulos pernambucano e da Copa do Nordeste sugeriam um Santa Cruz renascido. E o que dizer da liderança do Brasileirão naquele ano após duas grandes vitórias?

O Santinha começou com tudo na elite em 2016, mas rapidamente caiu. A queda foi tão brusca que o time amargou o rebaixamento. Novamente na Série B, queria redenção nesta temporada e até rondou na zona de acesso. Erros contínuos, outro desabamento brusco e lá está a Cobra Coral mais uma vez numa zona de queda, flertando com a Série C. Acorda Santa Cruz, você não merece novo drama.

Santa Cruz foi ao fundo do poço, sofreu para sair, não aprendeu, e revive drama
Santa Cruz foi ao fundo do poço, sofreu para sair, não aprendeu, e revive drama
Santa Cruz foi ao fundo do poço, sofreu para sair, não aprendeu, e revive drama