Reflexões - vida de mãe
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Reflexões - vida de mãe
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Reflexões - vida de mãe
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Por que precisamos de rótulos?

Helena Sordili
há 7 meses36 visualizações

Num tempo tão plural, ainda procuramos rótulos e definições que nos limitam e colocam em caixinhas únicas. Por que?

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Eu vou dizer que essa reflexão veio com mais intensidade depois de ir à pre-estreia do filme Os Smurfs e a Vila Perdida. Sim, para mim qualquer momento de lazer (ou não) é também de reflexão.

Por que precisamos de rótulos?

Eu sempre achei ruim ser enquadrada na categoria mãe (e só), por exemplo, porque nunca somos uma coisa só, frequentamos grupos diferentes, temos amigos de épocas diferentes e podemos nos relacionar com eles normalmente, em momentos distintos.

Se sou meio nerd no trabalho, sou também bem humorada entre os amigos, ainda tenho hobbies com outros grupos que se formaram por esses interesses e assim por diante.

A gente cresce e vai costurando uma série de retalhos que formam a nossa pele, o nosso "quem sou", complementar e plural. E moldável por situação e grupo de convivência.

E por que a reflexão ganhou forma depois do tal filme? Porque lá a crise de identidade de Smurfette está justamente em não delimitar nada na sua tagline. Enquanto um é o Papai Smurf, o outro é o Smurf Gênio ou ainda o Smurf Desastrado, ela é "apenas" Smurfette.

Ela não tem uma habilidade única, não tem algo marcante pelo qual pode ser nomeada e isso dá uma crise na menina. Durante a aventura fica claro que ela é plural, que Smurfette é uma mulher típica, cheia de habilidades - ela até encontra outras tantas como ela lá na Vila Perdida.

Infelizmente algumas mulheres demoram a entender essa nossa condição multitask, e ficam buscando algo essencial que as defina. Somos mães, mulheres, trabalhadoras, aventureiras, fortes e sensíveis. E isso já faz de nós seres únicos!

No mais, vale a pena levar as crianças ao cinema. O filme estreia dia 06/04 e é um programão para toda a família.

Kate alerta sobre o stress da maternidade

Helena Sordili
há 7 meses49 visualizações

"É preciso falar sobre o stresse da maternidade", diz Kate Middleton

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Kate alerta sobre o stress da maternidade

Ontem foi dia das mães na maior parte do mundo (4º domingo da quaresma) e Kate Middleton falou para a platéia na abertura do evento Out of the Blue.

Em um discurso super coerente e acolhedor, Kate falou sobre a maternidade e sobre a necessidade de entendermos que ela gera estress e complicações na vida da mãe e da família que está se formando. Concordo com ela pois só a partir do nascimento de um filho é que sabemos TUDO o que muda em nossas vidas!

A duquesa sabe que tem ajuda que muitas mães não tem, essa ajuda é um privilégio. E alerta: peçam ajuda, isso não é sinal de fraqueza!

Além da "ajuda" de um grande staff - pessoal e familiar, eu queria saber se William "ajuda"... Aliás ajuda não é a palavra mais indicada para se designar a atuação de um pai né? Mas vamos deixar isso para outro post.

Ser mãe, ainda segundo Kate, é um desafio diário, uma experiência esmagadora e desafiadora. Engrosso o coro com a duquesa que diz que é incrível perceber que de uma hora para outra você passa a ser dois, a sua preocupação vai além da sua vida - ela se divide para a família e especialmente para os filhos.

Muitas mães não estão preparadas para abrir mão da sua individualidade, do seu dia-a-dia por mais que a gestação nos encaminhe para isso.

Não tem manual para criar filhos e cada filho é de um jeito. A gente só precisa entender isso, aceitar as diferenças e seguir tentando fazer o melhor possível - não o melhor sempre, mas aquilo que realmente está a seu alcance!

Pais perfeitos não existem, é o que alerta a linda Kate! Nem na realeza!

"Só temos de fazer o que temos a fazer da melhor forma que conseguirmos para cuidarmos da nossa família", acrescentou a mãe de George, de três anos, e Charlotte, de quase dois.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
HelenaSordili
Pra emagrecer, coma! Pra relaxar, grite! Pra ser perfeita, erre! Pra ser você, mude! Autora do blog Eu, ele e as crianças